A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: BIANCA VANESSA DOS SANTOS RIBEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BIANCA VANESSA DOS SANTOS RIBEIRO
DATA: 19/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: A definir.
TÍTULO: Dinâmica espaço-temporal da transmissão de leishmaniose visceral em uma região de alta endemicidade do Brasil
PALAVRAS-CHAVES: Análise espacial; Sistemas de Informação Geográfica; Epidemiologia; Indicadores de Morbimortalidade; Leishmaniose Visceral.
PÁGINAS: 71
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Protozoologia de Parasitos
ESPECIALIDADE: Protozoologia Parasitária Humana
RESUMO:

A leishmaniose visceral (LV) é uma doença tropical negligenciada, potencialmente fatal se não tratada em tempo oportuno. Estima-se que, mundialmente, um bilhão de pessoas vivam em regiões endêmicas para LV e que ocorram 50.000 a 90.000 casos novos por ano. No Brasil, a doença está em expansão, e concentra 96% dos casos de LV das Américas. O Maranhão, localizado no nordeste do Brasil, é o estado brasileiro com maior número de casos de LV. O objetivo desse estudo foi analisar os padrões de distribuição espaço-temporais da ocorrência de LV no Maranhão entre 2009 e 2017. Trata-se de um estudo ecológico, de base populacional e série espaço temporal, cujas unidades de análise foram os 217 municípios maranhenses. Foram incluídos todos os casos de LV no Maranhão registrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) de 2009 a 2017. Foi realizada análise descritiva das características clínico-epidemiológicas e dos fatores demográficos associados aos casos de LV. A análise das tendências temporais foi feita por regressão linear segmentada (joinpoint). Foram calculadas as médias móveis trianuais dos coeficientes de incidência por município e suavizadas pelo método Bayesiano empírico local. As análises para identificação de aglomerados espaciais e espaço-temporais foram obtidas pelos Índices de Moran Global e Local (LISA) e estatística de varredura espaço-tempo. Foram notificados 5.128 casos, e durante esse período a transmissão e letalidade de LV foram crescentes, maiores que a média nacional. A maior ocorrência da LV esteve associada ao sexo masculino (63,8%), à faixa etária de 0 a 4 anos (47,5%), indivíduos de cor não branca (88,7%), à zona urbana (68,5%) e à baixa escolaridade (26,3%). A tendência de casos novos foi crescente com uma APC de 6.1 (IC 95%: 0.6 a 12.0), bem como entre homens (APC: 6.8, IC 95%: 0.6 a 13.3), na faixa etária ≥ 20 anos, com destaque para ≥ 60 anos, com uma APC de 24.2 (IC 95%: 13.5 a 35.9) A coinfecção LV-HIV foi crescente com APC 8.9 (IC 95%: 1.9 a 16.4), assim como a mortalidade e a letalidade. As análises espaciais demonstraram expansão da LV para municípios que não apresentavam registros de casos anteriormente, com transmissão intensa em praticamente todo o estado. As regiões oeste, centro e leste apresentaram maior concentração de casos e formação de aglomerados de alto risco. O planejamento de ações de vigilância, controle e prevenção da LV precisam considerar as peculiaridades locorregionais dos municípios, sobretudo nas regiões consideradas de alto risco.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS
Interno - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Presidente - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA

Notícia cadastrada em: 30/01/2020 13:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a