A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA WILIANE DO NASCIMENTO CUNHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA WILIANE DO NASCIMENTO CUNHA
DATA: 27/08/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Mini-auditório do CCBS - Campus São Cristóvão
TÍTULO: Associação dos perfis de citocinas com as formas e complicações clínicas na hanseníase
PALAVRAS-CHAVES: Hanseníase; Resposta imunológica; Citocinas; Formas clínicas; Imunopatogênese.
PÁGINAS: 20
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Imunologia
RESUMO:

A hanseníase é uma doença infecciosa crônica e de evolução clínica lenta, causada pelo bacilo intracelular Mycobacterium leprae. Em 2016, foram reportados mais de 200 mil novos casos da doença em 143 países. O Brasil é o país responsável pela endemia da hanseníase no continente americano, abrangendo 93,8% dos casos relatados. Essa doença pode ser classificada de acordo com suas formas operacionais em paucibacilar e multibacilar, para critérios de tratamento. Além disso, a hanseníase é classificada, segundo critérios histopatológicos, nas formas: indeterminada, tuberculóide, dimorfa e virchowiana. Na evolução clínica da doença os pacientes podem apresentar complicações como as reações hansênicas e ocorrência de incapacidade física. As manifestações clínicas estão relacionadas a diversos fatores como o background genético e fatores imunológicos inerentes ao hospedeiro. Sabe-se que indivíduos que desenvolvem padrões de resposta imune Th1 e Th17 apresentam a forma paucibacilar da doença, enquanto aqueles que apresentam a resposta imune Th2 e Treg desenvolvem a forma multibacilar. Contudo, ainda não está esclarecido o papel de citocinas Th9 e Th22 na apresentação clínica da hanseníase. Diante disso, o objetivo dessa pesquisa é associar os perfis de citocinas com as formas e complicações clínicas da hanseníase. Participarão da pesquisa pacientes diagnosticados com hanseníase e que forem atendidos no ambulatório de Dermatologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe e seus controles contactantes. Será realizada coleta de sangue e separação do soro para dosagem de citocinas das respostas imunes dos perfis Th1, Th2, Treg, Th17, Th9 e Th22 produzidas pelos pacientes e contactantes através da técnica de Luminex. Além disso, será realizada a análise de cluster para identificar a combinação dos diferentes perfis de citocinas que estão associados com as formas clínicas da hanseníase e complicações como reação hansênica e incapacidade física. As análises estatísticas serão realizadas nos softwares Graphpad Prisma e SPSS. Com isso, espera-se identificar os diferentes perfis de citocinas que estão associados com a apresentação das formas e complicações clínicas da hanseníase. A identificação de citocinas associadas com as manifestações clínicas mais graves na hanseníase pode ser promissor para o uso dessas citocinas como biomarcadores para o monitoramento da evolução clínica da doença.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Interno - 1511959 - TATIANA RODRIGUES DE MOURA
Externo ao Programa - 1977480 - PRISCILA LIMA DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 25/07/2019 20:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - dragao3.dragao3 v3.5.16 -r18277-8067e35817