A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ARIEL OLIVEIRA CELESTINO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ARIEL OLIVEIRA CELESTINO
DATA: 27/08/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório da Faculdade de Farmácia - Campus São Cristóvão.
TÍTULO: Avaliação Política e Econômica do Tratamento em Massa para Geo-helmintos em Escolares do Estado de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Administração de drogas em massa; Geo-helmintos; Estudantes; Epidemiologia; Custo-benefício; Sergipe
PÁGINAS: 94
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

Introdução: O parasitismo é caracterizado pela associação entre seres vivos, existindo a unilateralidade de benefício. Dentre os inúmeros tipos de agentes e formas de parasitismos, existem aos quais denominados de geo-helmintos, que são helmintos (vermes) cuja transmissão habitualmente acontece através do contato com o solo como o, Ascaris lumbricoides, Trichuris trichiura e Ancilostomídeos (Necator Americano e Ancylostoma duodenale). Esses geo-helmintos, são foco de uma estratégia cujo objetivo é a diminuição da prevalência e/ou eliminação desses parasitos e com isso suas morbidades (anemia, desnutrição, comprometimento do crescimento físico e cognitivo principalmente em crianças); além da contribuição negativa para o desenvolvimento do país, gerando diminuição de poder produtivo, do Produto Interno Bruto (PIB), além de faltas ao trabalho, e custos com medicamentos, consultas, internações e etc. Diante disso, a Organização Mundial de Saúde, recomenda a administração de medicamentos em massa de forma profilática para grupos de riscos (crianças em idade escolar, mulheres em idade fertil incluindo mulheres grávidas no segundo e terceiro trimestres e lactantes e adultos em ocupações de risco). No Brasil, essa ação é realizada pelo Sistema Único de Saúde em campanhas anuais direcionada para estudantes de escolas públicas com idade de 5-14 anos. Objetivo: Diante disso, o presente estudo objetiva a realização de uma avaliação política e econômica (macroeconômica) da estratégia de tratamento em massa atualmente realizada em todo o estado de Sergipe. Metodologia: Para isso, realizaremos um estudo descritivo, afim de gerar debates em prol a saúde pública. Com isso, traremos dados epidemiológico, através de laudos de laboratórios de análises clinicas com representações em todo estado, afim de identificar o incide de positividade de exames parasitológicos de fezes e proporção entre grupos de helmintos e protozoários. nosso estudo descritivo tem finalidade principal servir de base para debates em prol a saúde pública no Estado. Conhecer a política de operacionalização da campanha no estado, números de comprimidos distribuídos, estimar taxa de cobertura. Realizar análise (macroeconômica), afim de estimar o custo-benefício da estratégia de tratamento em massa comparando com o método convencional (diagnosticar e tratar positivos), além de estimar custo-minimização e custo-efetividade. Resultados: Dos 1.110 laudos captados, cerca de 793 (71,44%) foram negativos e 317 (28,56%) positivos; sendo o maior número de positivos para protozoários. Em quatro edições da campanha realizadas em Sergipe, foram distribuídos anualmente a média de aproximadamente 255.283 mil comprimidos de Albendazol para todo o estado, estima-se que a média anual de crianças tratadas profilaticamente para geo-helmintos tenham sido de 84,16%. Estima-se que o repasse financeiro realizados através do Fundo Nacional de Saúde (FNS) pelo sistema Fundo a Fundo, com o objetivo de auxiliar no desenvolvimento da campanha como um todo (Campanha Nacional de Hanseníase, Verminoses (geo-helmintos), Tracoma e Esquistossomose), tenham somado quantitativo monetário nominal o valor de RS 1.127.437,01 milhões de reais com média anual de R$ 281.859,25 mil reais, de acordo com as portarias equivalendo aos valores deflacionado de R$ 1.342.260,44 milhões de reais , média anual de RS 335.565,11 mil reais.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1699173 - FERNANDA ESPERIDIAO
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Presidente - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

Notícia cadastrada em: 24/07/2019 10:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817