A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ROSIANE SANTANA ANDRADE LIMA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ROSIANE SANTANA ANDRADE LIMA
DATA: 30/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Mini-auditório CCBS - são Critóvão/UFS
TÍTULO: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE A PARTIR DE CASOS DIAGNOSTICADOS POR ANATOMIA-PATOLÓGICA, NO ESTADO DE SERGIPE, NO PERÍODO ENTRE 2007 E 2016
PALAVRAS-CHAVES: Hanseníase; Mycobacterium leprae; Perfil epidemiológico.
PÁGINAS: 26
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Introdução: A hanseníase é uma doença crônica, infecciosa e sistêmica causada pelo bacilo Mycobacterium leprae que pode gerar incapacidades físicas variadas. É problema sanitário mundial e, no Brasil, e em Sergipe, é endêmica. Objetivo: Avaliar a epidemiologia da hanseníase em Sergipe no período entre 2007 e 2016. Método: Coleta de dados secundários, de pacientes com diagnóstico de hanseníase, a partir de laudos anatomopatológicos de laboratórios de anatomia patológica do estado de Sergipe, dentre eles o do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe, além de quatro laboratórios particulares, no período de 2007 a 2016. Foram coletados dados como idade, gênero, procedência, local da lesão, manifestações clínicas e diagnóstico. Resultados preliminares: Os resultados preliminares mostraram, no período 2011 a 2016, 161 casos de hanseníase em pacientes procedentes de 29 municípios dos 75 totais do estado de Sergipe (aproximadamente 38,65% dos municípios). 57,14% dos casos foram no sexo feminino e a média de idade foi de 45,79 ± 18,25 anos. A capital Aracaju apresentou a maior concentração dos pacientes, 65,2%. As formas clínicas mais prevalentes foram a Hanseníase tuberculóide (HT), que contou com 64 casos (39,02%), seguida da forma indeterminada com 29 casos (17,68%). O coeficiente de incidência (CI) da Hanseníase no Estado de Sergipe diminuiu aproximadamente 60% entre 2011 a 2016. Na avaliação global do CI entre o Estado de Sergipe e a capital Aracaju, observou-se maiores taxas em Aracaju.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1977523 - DIEGO MOURA TANAJURA
Interno - 2046888 - MÁRCIO BEZERRA SANTOS
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 08/08/2018 09:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817