A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ÍTALO FERNANDO LISBOA DE MELO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ÍTALO FERNANDO LISBOA DE MELO
DATA: 30/08/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de videoconferencia do PROEE - Campus são Cristóvão/UFS
TÍTULO: LEVANTAMENTO DA MALACOFAUNA LÍMNICA E HELMINTOFAUNA ASSOCIADA AOS MOLUSCOS DULCÍCOLAS DO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES, SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: malacofauna límica; trematódeos; helmintoses; distribuição espacial; Sergipe
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

O filo Mollusca é o segundo maior grupo de invertebrados, vivem nos mais variados ecossistemas. Estima-se que mais de 450 espécies de moluscos são de água doce ou límnicos, tendo as classes com maior representatividade gastrópode e bivalvia. Desde a pré-história, os moluscos estão intimamente relacionados à sociedade humana, utilizados na alimentação pelo homem. Além disso, desempenham funções ecológicas, são excelentes bioindicadores de poluição ambiental, embora se encontre entre os animais mais ameaçados de extinção, um dos fatores é a introdução de espécies exóticas invasoras nos ambientes dulcícolas. Algumas espécies são de grande importância de interesse médico e veterinário e são consideradas potentes hospedeiras de doenças parasitárias. O presente trabalho teve o propósito de realizar o levantamento da malacofauna límnica e da helmintofauna associada aos moluscos de água doce das coleções hídricas do município de Nossa Senhora de Lourdes/SE. Para tanto, foi realizado no período de março/2016 a novembro/2017, obedecendo às diferenças sazonais (períodos seco, chuvoso e pós-chuvoso) um levantamento malacológico nas coleções hídricas da área em estudo, as quais foram georreferenciadas com auxílio de um receptor GPS (Global Position System). As coleções hídricas foram analisadas de acordo com os seguintes fatores: presença de moluscos; sua identificação, que se deu por meio de dissecações anatômicas em microscópio estereoscópio, método conquiliológico e consultas de referências especializadas; além da ocorrência de parasitismo pelo Schistosoma mansoni e outros trematódeos em moluscos límnicos, pelas técnicas de fotoestimulação e exposição ao escuro. O material coletado foi identificado e analisado no Laboratório de Entomologia e Parasitologia Tropical- Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, e no Laboratório de Malacologia do Instituto Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro. Das coleções hídricas na região em estudo, 34 foram georreferencidadas, 18 (53%) apresentaram moluscos, os quais foram coletados segundo os períodos: seco com 295 (6%), chuvoso com 3333 (64%) e pós- chuvoso com 1568 (30%), totalizando 5196 exemplares. Destes, 4747 (91%) eram gastrópodes e 449 (9%) bivalves, distribuídos em 6 famílias, 1 subfamília e 11 espécies: Asolene meta e Pomacea lineata (Ampullariidae); Corbicula fluminea e Corbicula largillierti (Corbiculidae); Limnoperna fortunei (Mytilidae); Physa acuta (Physidae); Ancylidae, Biomphalaria straminea, Drepanotrema lucidum, Drepanotrema depressissimum e Drepanotrema cimex (Planorbidae); e Melanoides tuberculata (Thiariidae). Dos moluscos analisados quanto aos trematódeos, 5 gastrópodes apresentaram-se infectados: um exemplar B. straminea apresentou Vivax; e quatro exemplares Melanoides tuberculata (dois emergiram Pleurolophocercous e dois liberaram Virgulate). A distribuição espacial dos moluscos foi evidenciada em dois aglomerados que reuniu vários tipos de coleções hídricas na área estudada sendo que apenas no rio São Francisco encontrou-se todas as espécies. Este estudo é pioneiro para a área em pesquisa, além de notificar moluscos de importância médica e veterinária, positivos para diversos tipos cercarianos, tende a subsidiar o planejamento de ações de monitoramento, prevenção e controle de helmintoses de modo a melhorar a qualidade de vida da população. Além disso, sugere contribuição para o conhecimento da biodiversidade e distribuição espacial da malacofauna límnica do estado de Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Interno - 1703964 - SILVIO SANTANA DOLABELLA
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 07/08/2018 14:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817