A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANTONIELE DOS SANTOS PIMENTEL

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIELE DOS SANTOS PIMENTEL
DATA: 28/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Mini-auditório CCBS - são Critóvão/UFS
TÍTULO: AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE ENZIMAS P450 EM AEDES AEGYPTI EM RESPOSTA À EXPOSIÇÃO DO REPELENTE DEET
PALAVRAS-CHAVES: arboviroses, repelentes, controle de vetores, Dengue
PÁGINAS: 63
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
RESUMO:

Nos últimos anos o Brasil tem apresentado altos índices de doenças transmitidas por vetores, como a dengue, zika e chikungunya, além da febre amarela. Diversas medidas foram implantadas pelo Ministério da Saúde para o controle vetorial de Aedes aegypti. Essas medidas, no entanto, têm sido ineficientes para o enfrentamento desse cenário epidemiológico das arboviroses. Uma das medidas mais utilizadas para proteção individual é a aplicação de repelentes tópicos, como o DEET (N, N-dietil-meta-toluamida), entretanto seu mecanismo de ação ainda não foi totalmente elucidado. Esse repelente sintético parece agir tanto a nível olfativo, através de receptores de neurônios olfativos, como por via de contato através de receptores gustativos. Todavia, enzimas do complexo P450 parecem ter participação no que tange ao mecanismo de ação do DETT. O objetivo deste estudo é verificar se existe associação entre a exposição ao repelente DEET e variação das enzimas P450 numa população de campo de Aedes aegypti do município de Laranjeiras/Sergipe, além da sua caracterização quanto à resistência a inseticidas. Para a realização desse estudo, ovitrampas foram distribuídas durante o mês de junho no município de Laranjeiras. Os ovos utilizados em laboratório para produção da geração F1 que será utilizada nos bioensaios de repelência e os ensaios enzimáticos para monooxigenases, como preconizado pelo ministério da saúde. Posteriormente, fêmeas não alimentadas com sangue e com idade ≥10 dias, serão separadas e colocadas em gaiolas para a realização dos bioensaios com DEET a 20%. Para os ensaios enzimáticos serão utilizadas apenas a cabeça desses mosquitos, de acordo com o intervalo de pós-exposição determinado. Ensaios moleculares serão realizados para a expressão gênica da superfamília P450 (CYP6BB2, CYP9J10, CYP9J28 e CYP9M6) em resposta a exposição ao DEET.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS
Interno - 1897681 - LUCIANE MORENO STORTI DE MELO
Externo ao Programa - 2208516 - ROBERTA PEREIRA MIRANDA FERNANDES

Notícia cadastrada em: 07/08/2018 09:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817