A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: EDCLÉCIA NASCIMENTO SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EDCLÉCIA NASCIMENTO SANTOS
DATA: 21/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL:Mini-auditório CCET - são Critóvão/UFS.
TÍTULO: Bacillus thuringiensis NATIVAS DO SOLO E TESTE DE TOXICIDADE DAS CEPAS FRENTE À TROFOZOÍTOS DE Acanthamoeba castellanii
PALAVRAS-CHAVES: B. thuringiensis; δ-endotoxinas; proteínas Cry; protozoário; Acanthamoeba castellanii
PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Microbiologia
SUBÁREA: Microbiologia Aplicada
ESPECIALIDADE: Microbiologia Industrial e de Fermentação
RESUMO:

Bacillus thuringiensis é uma bactéria Gram-positivo não-patogênica formadora de esporos encontrada em diferentes habitats como solos, plantas, insetos mortos e sedimentos marinhos. Esta bactéria é produtora de diversos tipos de metabólitos secundários com atividade tóxica, dentre eles os cristais de proteínas δ-endotoxinas produzidas durante a esporulação. Essas proteínas são denominadas cristais de proteínas inseticidas (insecticidal crystal proteins - ICPs) distribuídas em duas famílias: Cry e Cyt. As Cry apresentam toxicidade para uma ampla gama de organismos invertebrados e células humanas cancerígenas; sendo assim, o B. thuringiensis é amplamente utilizado como bioinseticida. Os protozoários representam um dos grupos-alvo destas toxinas, porém com estudos ainda escassos. O protozoário Acanthamoeba castellanii é uma ameba de vida livre, potencialmente patogênica e que ocasiona doenças como a ceratite amebiana e a encefalite amebiana granulomatosa, enfermidade de difícil diagnóstico e sem medicamentos específicos. Este trabalho objetivou isolar cepas de B. thuringiensis do solo e caracterizar as toxinas Cry codificadas por elas através de ensaios de toxicidade frente a trofozoítos de A. castellanii. Um total de 15 amostras de solo de diferentes regiões do estado foicoletado, cultivado e separado em 150 isolados que foram selecionados a partir das características morfológicas das colônias. Após as análises das lâminas foram selecionadas 75 estirpes de maior esporulação e presença de proteínas para o bioensaio. Um total de três estirpes, os isolados 66, 69 e 75, apresentaram atividade amebicida frente à A. castellanii. Após 48 h de interação entre proteína e protozoário, as amostras apresentaram entre 96,2 a 97,8% de morte celular nas concentrações de 50 a 100µg/mL. Nestas condições, os isolados apresentaram valores de IC50 de 4.1, 4.35 e 8.3µg/mL, respectivamente. É notório que estas proteínas de B. thuringiensis exercem um efeito amebicida sobre trofozoítos de A. castellanii, no entanto faz-se necessária a realização de estudos mais específicos para que estas toxinas venham a ser utilizadas como medicamento.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MARCELO DA COSTA MENDONCA
Externo ao Programa - 2208516 - ROBERTA PEREIRA MIRANDA FERNANDES
Presidente - 00.000.000/0000-00 - SONA ARUN JAIN

Notícia cadastrada em: 06/08/2018 11:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r18291-d8b5d91c4a