A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: CINDY MENEZES SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CINDY MENEZES SILVA
DATA: 09/08/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Mini-Auditório do CCET
TÍTULO: Caracterização espacial da endemicidade de hanseníase nos bairros de Aracaju, Sergipe, Brasil. 2017.
PALAVRAS-CHAVES: Hanseníase; epidemiologia; análise espacial; geoprocessamento.
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Protozoologia de Parasitos
ESPECIALIDADE: Protozoologia Parasitária Humana
RESUMO:

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa, causada pelo bacilo Mycobacterium Leprae, crônica, com alta capacidade de contágio e baixa capacidade do adoecimento das pessoas. No Brasil, é considerada como um problema de saúde pública. Aracaju e vários de seus distritos possuem elevadas taxas de detecção. Em 2011, Aracaju apresentou um índice de detecção de 21,7 casos para 100 mil habitantes, classificado como de muito alta endemicidade. O objetivo do estudo foi avaliar as características epidemiológicas e espaciais da hanseníase através do banco de dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificações, nos bairros de Aracaju, Sergipe, Brasil nos anos de 2011 a 2015. Trata-se de um estudo ecológico, retrospectivo com base em banco de dados secundários de portadores de hanseníase cadastrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação de Aracaju nos anos de 2011 a 2015. Foi utilizado o Programa de Regressão Joinpoint Versão 4.1.1.5, teste de permutação de Monte Carlo e Incremento Percentual Anual para cálculos de tendências temporais, e o programa TerraView 4.2 para a elaboração de mapas temáticos sobre indicadores de hanseníase. Além de estatísticas de auto correlação espacial, como Índices de Moran Global (I) e Local (LISA) aplicadas para caracterização dos padrões de distribuição espacial. Através do Incremento Percentual Anual foi constatada uma redução gradual de menos 10,2 (p< 0,05) casos da doença nos anos estudados. A cor parda, nível de instrução escolar de ensino fundamental incompleto, sexo feminino e a classificação operacional multibacilar foram os mais representativos nos casos gerais, sendo que a razão de chances do homem pertencer a essa classificação foi é 2,74 vezes maior (OR= 2,74; IC95%= 1,94-3,86). A forma clínica tuberculoíde foi mais predominante entre os casos e a indeterminada teve uma redução de menos de 19,6 (p< 0,05) do Incremento Percentual Anual. O índice global de Moran foi positivo e significativo (0,41; p< 0,01), o cluster de maior risco para o adoecimento e a maior densidade da incidência média de casos para estimativa de Kernel se localizou na porção centro e norte do município. Conclusão: As análises estatísticas possibilitaram, de forma conjunta, a compreensão sobre o perfil dos portadores de hanseníase, a distribuição de casos, áreas críticas para o adoecimento e propagação da doença, permitindo elaboração de abordagens mais eficazes no território de Aracaju.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1039375 - VERA LUCIA CORREIA FEITOSA
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES

Notícia cadastrada em: 17/07/2017 13:03
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18277-8067e35817