A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JUCICLEIDE RAMOS DE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JUCICLEIDE RAMOS DE SOUZA
DATA: 07/07/2017
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: Pesquisa e Identificação de Larvas de Nematódeos Recuperadas de Achatina fulica Bowdich, 1822 e outros Moluscos Terrestres da Região Metropolitana de Aracaju, Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Achatina fulica; nematódeos; A. cantonensis; Sergipe.
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
SUBÁREA: Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
RESUMO:

Achatina fulica foi introduzido no Brasil no final da década de 1980, na tentativa de substituir o “escargot” Helix aspersa. Entretanto, após o insucesso em sua comercialização, acabou por tornar-se uma praga para a agricultura e meio ambiente, além de atuar como principal hospedeiro intermediário de Angiostrongylus cantonensis, parasito responsável por ocasionar a meningite eosinofílica em humanos. Outros gastrópodes terrestres também já foram encontrados naturalmente infectados pelo parasito. O presente trabalho tem como objetivo verificar a presença de larvas de Angiostrongylus spp. em moluscos terrestres da Região Metropolitana de Aracaju, SE, que inclui os municípios de Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão, além da capital. Foram obtidos 978 exemplares de diferentes espécies de moluscos terrestres. O material coletado foi examinado no Laboratório de Referência Nacional em Esquistossomose - Malacologia, Instituto Oswaldo Cruz / Fundação Oswaldo Cruz e identificados em 11 espécies e dois gêneros: A. fulica (399 espécimes), Cyclodontina fasciata (225), Subulina octona (135), Bulimulus tenuissimus (104), Leptinaria unilamellata (56), Sarasinula linguaeformis (30), Streptartemon cookeanus (7), S. quixadensis (2), Omalonyx sp. (7), Alopeas gracille (6), Tamayoa banghaasi (3), Latipes erinaceus (2), Helicina sp. (2). Os moluscos foram digeridos artificialmente com HCl 0,7%. Alguns nematódeos recuperados de caramujos foram utilizados para infecção artificial em Rattus norvegicus da linhagem Wistar. Larvas e adultos nematódeos recuperados de moluscos e roedores tiveram seu DNA extraído, amplificados em direção à região COI (gene mitocondrial derivado do Citocromo Oxidase I) e sequenciados para a identificação específica dos nematódeos. Detectou-se infecção por A. cantonensis em todos os municípios investigados, envolvendo três espécies hospedeiras: Barra dos Coqueiros (4,3% para B. tenuissimus e 1,8% para C. fasciata), São Cristóvão (34,9% para A. fulica), Aracaju (36,4% para A. fulica) e em Nossa Senhora do Socorro (5,9%para A. fulica). Também foram encontradas co-infecções por larvas de Caenorhabditis sp. e Strongyluris-like. O estudo da helmintofauna associada à malacofauna terrestre é pioneiro em Sergipe e os resultados trazem a primeira confirmação de A. cantonensis no estado; além de B. tenuissimus e C. fasciata como novos hospedeiros para o parasito.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1703964 - SILVIO SANTANA DOLABELLA
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Externo à Instituição - MONICA LEMOS AMMON FERNANDEZ

Notícia cadastrada em: 11/06/2017 11:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18277-8067e35817