A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CINDY MENEZES SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CINDY MENEZES SILVA
DATA: 31/08/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Mini Auditório do CCET/UFS
TÍTULO: Caracterização espacial da endemicidade de hanseníase nos bairros de Aracaju, Sergipe, Brasil.
PALAVRAS-CHAVES: : Hanseníase; Endemicidade; Epidemiologia; Análise Espacial.
PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Parasitologia
RESUMO:

A hanseníase é uma patologia causada pelo bacilo Mycobacterium leprae, caracterizada como doença infectocontagiosa, crônica, com alta capacidade de contágio de pessoas e baixa capacidade do adoecimento dessas. Em 2013 o Brasil teve a taxa de prevalência em 1,42 casos para 10.000 habitantes e a taxa de incidência em 15,44 casos para 100.000 habitantes. Aracaju devido ao seu coeficiente de prevalência de 21,7 casos por 100.000 habitantes em 2010 foi considerada um território com endemicidade muito alta. O objetivo do estudo foi caracterizar a distribuição espacial da endemicidade de hanseníase nos bairros de Aracaju, Sergipe, no ano de 2011 a 2015. Através do instrumento de coleta aplicado no Sistema de Informação de Agravos de Notificação da Secretaria Municipal de Saúde de Aracaju, foram coletados 685 casos, sendo 655 utilizados e 30 descartados após a aplicação de critérios de inclusão e exclusão. Houve pelo menos uma notificação em todos os bairros do município, sendo o bairro de Santa Maria com a maior quantidade de casos e o segundo com o menor rendimento nominal mediano de pessoas com 10 anos ou mais. O sexo feminino, classificação operacional multibacilar e esquema terapêutico poliquimioterápico multibacilar de 12 meses foram os mais prevalentes entre os anos, exceto em 2015, as taxas de prevalências entre as faixas etárias e forma clínica apresentaram variações de acordo com os anos, a população com menor escolaridade e raça parda foi a mais acometida. Preliminarmente, apesar da distribuição da doença ter sido em todo o território do munícipio, aqueles locais com maiores dificuldades de acesso a saneamento básico, menor rendimento familiar e escolaridade apresentaram a forma com maior poder de transmissibilidade (multibacilar) e mais grave (dimorfa e virchowiana).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1039375 - VERA LUCIA CORREIA FEITOSA
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES

Notícia cadastrada em: 01/08/2016 08:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2023 - UFRN - dragao2.dragao2 v3.5.16 -r18277-8067e35817