Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: FABÍULA FRANCISCA DE ABREU

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FABÍULA FRANCISCA DE ABREU
DATA: 17/12/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Miniauditório do CCBS, UFS - Campus de São Cristóvão
TÍTULO: Avaliação dos efeitos farmacológicos do óleo da semente de mangaba (Hancornia speciosa Gomes) em modelos de inflamação.
PALAVRAS-CHAVES: Hancornia speciosa Gomes, Sementes, Óleo fixo, Inflamação.
PÁGINAS: 92
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

Hancornia speciosa Gomes é conhecida como “mangabeira” e é utilizada na medicina popular no tratamento de várias enfermidades e doenças inflamatórias. Folhas e frutos tem sido extensivamente estudados, mas ainda não há registro de investigações sobre os efeitos biológicos do óleo fixo extraído de suas sementes. Este estudo avaliou a atividade anti-inflamatória do óleo de sementes de mangaba (OSM) em camundongos. Camundongos Swiss machos (25-30 g) foram utilizados e os protocolos experimentais aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa Animal da UFS (n ° 28/2018). A citotoxicidade do OSM foi avaliada em fibroblastos da linhagem L929 através do ensaio de MTT. A atividade anti-inflamatória tópica foi avaliada no edema de orelha induzido por 12-O-tetradecanoilforbol-13-acetato (TPA). O tratamento com OSM (0,3, 1 e 3 mg/orelha) ou dexametasona (0,05 mg/orelha, controle) foi administrado concomitantemente com TPA (1 µg/orelha) na orelha ipsilateral por via tópica. Após 6 horas, foi mensurado o edema de biópsias das orelhas (peso de ipsilateral subtraído da orelha contralateral), a atividade de mieloperoxidase (MPO), concentrações de citocinas (TNF-α, IL-6 e IL-1β), alterações histológicas, permeabilidade vascular e parâmetros oxidativos. Adicionalmente, o efeito tópico foi avaliado no modelo de edema de orelha induzido por capsaicina. Para este modelo, os tratamentos com OSM (3 mg/orelha) ou vermelho de rutênio (500 nM/orelha, controle) foram administrados na orelha ipsilateral 15 minutos antes da indução, a qual foi feita pela administração tópica de capsaicina (0,2 mg/orelha). Após 30 minutos foi mensurado o edema nas biópsias das orelhas (peso de ipsilateral subtraído da orelha contralateral). Para avaliação da atividade anti-inflamatória sistêmica, os camundongos foram tratados com veículo (Tween 0,5% em solução salina, 10 mL/kg), OSM (100, 200 ou 400 mg/kg, v.o. ou i.p.) ou dexametasona (5 mg/kg, v.o. ou s.c.) administrados 1 hora ou 30 minutos, respectivamente (para as vias de administração), antes da injeção intrapleural de carragenina (1 mg/cavidade). O lavado da cavidade pleural foi coletado quatro horas após a indução para avaliação das contagens total de leucócitos, atividade de MPO, extravasamento proteico e dosagem de citocinas (TNF-α, IL-6 e IL-1β). Os resultados foram expressos como média ± S.E.M. e foram avaliados por ANOVA one-way, seguido pelo teste de Tukey, com p <0,05 considerado significativo. O tratamento com o OSM não alterou o percentual de viabilidade das células em nenhuma das concentrações utilizadas quando comparadas ao grupo controle. Por via tópica, o tratamento com o OSM promoveu uma redução do edema, da atividade de mieloperoxidase, das concentrações das citocinas inflamatórias TNF-α, IL-6 e IL-1β e do extravasamento de proteínas nas orelhas inflamadas com TPA. Não foram encontradas alterações significativas nos parâmetros oxidativos para os tratamentos com OSM por via tópica nas doses utilizadas. O pré-tratamento tópico com o OSM na dose testada (3 mg/orelha) também não reduziu o edema de orelha induzido por capsaicina, sugerindo o não envolvimento de canais do tipo TRPV1 no mecanismo de ação anti-inflamatória tópica do OSM. Na pleurisia, o OSM administrado por v.o. não reduziu o aumento do número de leucócitos totais na cavidade pleural promovido pela carragenina. Entretanto, administrado por via i.p. o OSM reduziu a contagem total de leucócitos, a atividade de mieloperoxidase, a concentração de proteínas totais e das citocinas TNF-α e IL-1β no lavado pleural. Ainda para esta via de administração, não foram observadas alterações na concentração de IL-6 no lavado pleural e na atividade de MPO pulmonar para nenhuma das doses testadas do OSM. O tratamento com dexametasona reduziu significativamente todos os parâmetros avaliados em ambos os modelos. Assim, o presente trabalho apresenta pela primeira vez uma caracterização farmacológica para o OSM e demonstra que este possui atividade anti-inflamatória, o que evidencia o potencial farmacológico desta preparação extraída da H. speciosa.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2020866 - ANA MARA DE OLIVEIRA E SILVA
Externo à Instituição - CLIOMAR ALVES DOS SANTOS
Presidente - 2869587 - PATRICIA RODRIGUES MARQUES DE SOUZA
Notícia cadastrada em: 03/12/2018 11:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r10803-399c5c35c