Notícias

Banca de DEFESA: PATRICIA RABELO DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PATRICIA RABELO DOS SANTOS
DATA: 30/08/2018
HORA: 14:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: Estudo Sobre Parâmetros Clínicos, Fisiológicos e Inflamatórios na Sepse ou Asma Alérgica em Proles Submetidas a um Modelo de Hipotireoidismo Gestacional Experimental
PALAVRAS-CHAVES: hipotireoidismo gestacional; programação fetal; sepse; asma; inflamação.
PÁGINAS: 183
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

A origem perinatal dos processos de saúde e doença na vida adulta tem sido o foco de inúmeros estudos. Nesse contexto destacam-se a importância de um adequado suprimento de hormônios tireoideanos maternos para o desenvolvimento fetal, com particular destaque para o sistema imunológico, e o aumento na prevalência de hipotireoidismo gestacional. Essa deficiência hormonal materna tem sido associada à muitas desordens na vida pós-natal da prole. Apesar disso, nenhum estudo investigou a influência desse microambiente intrauterino adverso na susceptibilidade da prole à sepse e à asma alérgica. Ademais, não existe um escore clínico para avaliar a gravidade da sepse em modelos animais, adaptada e validada para o português, como o Murine Sepsis Score (MSS). Assim, avaliou-se parâmetros clínicos e fisiológicos da gravidade da sepse e a resposta inflamatória da asma alérgica em proles submetidas ao Hipotireoidismo Gestacional (HGE). Simultaneamente, buscou-se validar o MSS para o português. O HGE foi induzido pela administração de Metimazol 0,02% na água de beber, do 9° dia gestacional até o dia do parto. Proles de mães hipotireoideanas (PMH) e eutireoideanas (PME) foram submetidos a um modelo de sepse induzida por ligação e perfuração cecal (CLP), para avaliação da sobrevida, temperatura corporal, gravidade e validação do MSS, ou a um modelo de asma alérgica induzida por ovoalbumina (AAIO), para avaliar parâmetros inflamatórios e estresse oxidativo. Os dados obtidos foram expressos em média ± E.P.M. A sobrevida foi estimada utilizando-se o teste de Kaplan-Meier/LogRank; a temperatura corporal e os escores totais foram submetidos à análise de variância (ANOVA) univariada e pós-teste de Tukey. Para o estudo das propriedades psicométricas da Versão Brasileira do Murine Sepsis Score (VB-MSS): a consistência interna foi estimada pelos coeficientes alfa (α) de Cronbach e de Spearman; a confiabilidade interavaliador foi quantificada pelo coeficiente de correlação intra-classe (CCI); a validade foi investigada através do modelo de regressão logística binária e Curva ROC. Demais análises foram feitas utilizando a ANOVA two-way, seguida do pós-teste de Bonferroni. O nível crítico fixado foi de 5%. Não houve influência do HGE sobre a massa corpórea das fêmeas prenhas durante a gestação (p = 0.19). O tamanho da ninhada no 1° DPN não diferiu entre mães eutireoideanas (ME) e mães hipotireoideanas (MH) (p = 0,7862). A massa corporal da prole aos 7 e 14 DPN foi significativamente menor em comparação aos machos PME [7 DPN: (p = 0,0057); 14 DPN: (p = 0,0264)]. Não houve diferença entre a curva de sobrevida da PME-Sepse e PMH-Sepse (p = 0,66), temperatura corpórea (p = 0,90) e escore clínico (p = 0,66). O escore de 4,75 é o melhor ponto cut off (Índice de Youden = 0,741). A PMH-OVA apresentou menor infiltrado leucocitário no lavado broncoalveolar (BAL) (p < 0,001), mas a análise histológica do tecido pulmonar não detectou essa diferença (p = 0,452); houve, também, menor atividade da mieloperoxidase no pulmão (p < 0,001) e menor conteúdo de peroxidase eosinofílica no BAL (p < 0,05), comparados à PME - OVA. Não houve influência do HGE na concentração de Malondialdeído e conteúdo de sulfidril do tecido pulmonar das proles asmáticas. A VB-MSS apresentou excelentes consistência interna (α de Cronbach = 0,945) e confiabilidade interavaliadores [CCI Escore Geral = 0,922 (IC de 95%: 0,911 – 0,932)]. Todas correlações dos itens da escala foram estatisticamente significativas (p < 0,05). O escore geral e a média do escore por item estão significativamente relacionados à probabilidade de sobrevida (p < 0,05). A VB-MSS possui excelente poder discriminatório, AUC (IC 95%) = 0,921 (0,878 – 0,965), p < 0,0001 e grande responsividade. Assim, conclui-se que o HGE não afeta parâmetros clínicos e fisiológicos dos animais sépticos, mas demonstra efeito inibitório sobre a inflamação pulmonar alérgica da prole. Ademais, a VB-MSS possui ótima performance discriminatória, é altamente confiável, replicável e válida para ser utilizada em países de língua portuguesa para avaliação do status clínico de animais sépticos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2393845 - CLIOMAR ALVES DOS SANTOS
Interno - 1070197 - CRISTIANE BANI CORREA
Presidente - 1333720 - DANIEL BADAUE PASSOS JUNIOR
Externo à Instituição - ISABELA AZEVEDO FREIRE SANTOS
Interno - 2068856 - RENATA GRESPAN
Notícia cadastrada em: 22/08/2018 14:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10803-399c5c35c