Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: KELLY COUTINHO DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: KELLY COUTINHO DA SILVA
DATA: 12/06/2017
HORA: 14:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: INFLUÊNCIA DA INTERAÇÃO SOCIAL NAS RESPOSTAS MOTORAS DE RATOS COM DOR INFLAMATÓRIA E O COMPORTAMENTO PROATIVO DO SEU COABITANTE,
PALAVRAS-CHAVES: Nocicepção; Analgesia; Componente Afetivo; Empatia; Locomoção.
PÁGINAS: 36
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Fisiologia
RESUMO:

O componente afetivo-motivacional da dor refere-se aos efeitos da vivência da dor sobre
emoções e comportamento. Estudos sugerem que o contato social induz alterações nas
respostas nociceptivas e afetivas, incluindo ansiedade, em indivíduos com dor. O nosso
objetivo foi avaliar como o contato social interfere na atividade motora de ratos com dor
inflamatória e o comportamento pró-social dos seus contactantes. Foram utilizados 42
ratos Wistar, com 2 a 3 meses de idade. Para isso foram realizados dois experimentos. No
experimento I foi avaliado o comportamento do rato residente durante o contato com
animais controle (CTRL), salina (SAL) e com dor inflamatória (FORM), n= 6 animais
por grupo. Para tanto, foram medidos o tempo de latência para o primeiro contato e a
duração do contato ao longo de 20 min. A dor inflamatória não alterou o tempo de latência
do primeiro contato dos residentes com os animais controle. Contudo a duração do
contato foi maior com animais do grupo FORM quando comparado com o grupo CTRL
(p < 0,0001) e com o grupo SAL (p < 0,05). No experimento II foi avaliado o efeito do
contato social na resposta motora dos animais com dor inflamatória. Os animais foram
divididos em três grupos (n= 6/grupo): Formalina Isolado (FI) que recebeu formalina e
em seguida foi isolado, Formalina Contato (FC) que recebeu formalina e teve contato
com o animal da caixa onde residia e o Controle Contato (CC) que apenas foi manipulado
e colocado em contato com o residente. Após 20 min de contato ou isolamento, o vídeo
dos animais foi analisado no ANY-maze para verificar a atividade motora dos animais.
Os comportamentos analisados foram: distância total percorrida, tempo de rearing,
número de saídas dos quadrantes e tempo de imobilidade. Os animais do grupo FC
apresentaram maior tempo de rearing (t = 2,290, p ˂ 0,05) e número de saídas dos
quadrantes (t = 3,312, p ˂ 0,01) e menor tempo de imobilidade (t = 3,514, p ˂ 0,01) não
houve diferença entre os grupos na distância percorrida. A comparação entre os grupos
FC e CC não mostrou diferença significativa em nenhum dos comportamentos analisados,
para todos os grupos o n = 6. Com base nos resultados encontrados percebeu-se que o
animal residente conseguiu identificar a situação de sofrimento do seu companheiro de
caixa, e isso acarretou num maior tempo de interação entre esses animais e no
comportamento pró-social em favor ao grupo FC, evitando inclusive situações de luta.
Além disso, a interação social produziu melhores respostas na atividade motora dos ratos
com dor inflamatória em comparação aos que ficaram em isolamento durante o teste.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1763997 - JOSE RONALDO DOS SANTOS
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Externo ao Programa - 2869764 - MÔNICA SANTOS DE MELO
Notícia cadastrada em: 24/05/2017 11:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12182-3b7fa45029