Notícias

Banca de DEFESA: ELIS CRISTIANE VALENÇA DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ELIS CRISTIANE VALENÇA DE ALMEIDA
DATA: 26/02/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 14 - Didática 6, Campus Prof. José Aloísio de Campos, São Cristóvão - UFS
TÍTULO:

Triagem fitoquímica e avaliação da atividade biológica do extrato e frações da
entrecasca de Bowdichia virgilioides Kunth,
Triagem fitoquímica e avaliação da atividade biológica do extrato e frações da entrecasca de Bowdichia virgilioides Kunth.


PALAVRAS-CHAVES:

Bowdichia virgilioides; atividade antioxidante; dor orofacial.


PÁGINAS: 74
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Bioquímica
RESUMO:

Triagem fitoquímica e avaliação da atividade biológica do extrato e frações da
entrecasca de Bowdichia virgilioides Kunth, Elis Cristiane Valença de Almeida, São
Cristóvão – 2012. A atividade biológica do extrato hidroetanólico (EHE) e suas
frações hexânica (FHX), clorofórmica (FCL), acetato de etila (FAE) e
hidrometanólica (FHM) das entrecascas da Bowdichia virgilioides foi avaliada por
meio da análise do potencial antioxidante e do efeito antinociceptivo na dor orofacial.
A prospecção fitoquímica dos extratos e frações feita por métodos colorimétricos
mostrou a presença de flavonoides, taninos, catequinas, terpenos, alcalóides e
fenóis. O maior teor de compostos fenólicos, obtido pelo método de Folin Ciocalteau,
foi encontrado na FAE (198,17 ± 9,06 mg de EAG/g de FAE). As amostras com
melhores resultados na estabilização do radical DPPH (30 µg.mL-1, 60 min) foram
EHE, FAE e FHM, apresentando percentuais de inibição de 42,89, 78,52 e 54,96,
respectivamente. A FAE mostrou o melhor resultado também na atividade
antioxidante da peroxidação lipídica induzida por AAPH, apresentando uma
concentração de malondialdeído formado de 0,05±0,02 nmol Eq MDA.mL-1, o que
caracteriza uma boa atividade para radicais livres de carbono centrado advindos
deste indutor. Já para a peroxidação lipídica induzida por FeSO4 o EHE foi a
amostra que apresentou resultado semelhante ao padrão Trolox, produzindo uma
concentração de malondialdeído de 0,10±0,01 nmol Eq MDA.mL-1, revelando ação
redox protetora bastante relevante para radicais livres advindos da reação de
Fenton. Após tratamentos cromatográficos através de Sephadex e sílica, a FAE foi
submetida à Cromatografia líquida de alta eficiência, sendo identificado por DAD-UV-
VIS, um composto com espectros e picos com tempo de retenção bastante
semelhantes aos da catequina, podendo-se sugerir a presença desta na amostra. O
EHE, FAE e FHM reduziram significativamente a nocicepção no modelo de dor
orofacial em camundongos Swiss na primeira e segunda fases do teste da formalina,
para o teste do glutamato, como também para capsaicina, sem que os animais
mostrassem alterações significativas no desempenho motor de acordo com o teste
Rota rod. Os dados foram expressos como média ± desvio padrão (erro padrão para
testes in vivo), enquanto as diferenças estatísticas foram determinadas por ANOVA
seguida do teste de Tukey para os testes in vitro e Dunnett para os testes in vivo,
com p<0,05. Os resultados obtidos confirmam os efeitos da B.virgilioides no uso
popular, evidenciando a presença de compostos químicos relevantes, atividade
antioxidante potencial e pronunciada atividade antinociceptiva na dor orofacial.
Triagem fitoquímica e avaliação da atividade biológica do extrato e frações daentrecasca de Bowdichia virgilioides Kunth, Elis Cristiane Valença de Almeida, SãoCristóvão – 2012. A atividade biológica do extrato hidroetanólico (EHE) e suasfrações hexânica (FHX), clorofórmica (FCL), acetato de etila (FAE) ehidrometanólica (FHM) das entrecascas da Bowdichia virgilioides foi avaliada pormeio da análise do potencial antioxidante e do efeito antinociceptivo na dor orofacial.A prospecção fitoquímica dos extratos e frações feita por métodos colorimétricosmostrou a presença de flavonoides, taninos, catequinas, terpenos, alcalóides efenóis. O maior teor de compostos fenólicos, obtido pelo método de Folin Ciocalteau,foi encontrado na FAE (198,17 ± 9,06 mg de EAG/g de FAE). As amostras commelhores resultados na estabilização do radical DPPH (30 µg.mL-1, 60 min) foramEHE, FAE e FHM, apresentando percentuais de inibição de 42,89, 78,52 e 54,96,respectivamente. A FAE mostrou o melhor resultado também na atividadeantioxidante da peroxidação lipídica induzida por AAPH, apresentando umaconcentração de malondialdeído formado de 0,05±0,02 nmol Eq MDA.mL-1, o quecaracteriza uma boa atividade para radicais livres de carbono centrado advindosdeste indutor. Já para a peroxidação lipídica induzida por FeSO4 o EHE foi aamostra que apresentou resultado semelhante ao padrão Trolox, produzindo umaconcentração de malondialdeído de 0,10±0,01 nmol Eq MDA.mL-1, revelando açãoredox protetora bastante relevante para radicais livres advindos da reação deFenton. Após tratamentos cromatográficos através de Sephadex e sílica, a FAE foisubmetida à Cromatografia líquida de alta eficiência, sendo identificado por DAD-UV-VIS, um composto com espectros e picos com tempo de retenção bastantesemelhantes aos da catequina, podendo-se sugerir a presença desta na amostra. OEHE, FAE e FHM reduziram significativamente a nocicepção no modelo de dororofacial em camundongos Swiss na primeira e segunda fases do teste da formalina,para o teste do glutamato, como também para capsaicina, sem que os animaismostrassem alterações significativas no desempenho motor de acordo com o testeRota rod. Os dados foram expressos como média ± desvio padrão (erro padrão paratestes in vivo), enquanto as diferenças estatísticas foram determinadas por ANOVAseguida do teste de Tukey para os testes in vitro e Dunnett para os testes in vivo,com p<0,05. Os resultados obtidos confirmam os efeitos da B.virgilioides no usopopular, evidenciando a presença de compostos químicos relevantes, atividadeantioxidante potencial e pronunciada atividade antinociceptiva na dor orofacial.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2335200 - CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
Interno - 1698148 - ENILTON APARECIDO CAMARGO
Externo ao Programa - 1199629 - CARLA MARIA LINS DE VASCONCELOS
Notícia cadastrada em: 25/02/2013 22:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r12182-3b7fa45029