A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: BERTILIA LAURALEE BARTLEY

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BERTILIA LAURALEE BARTLEY
DATA: 07/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Miniauditório - P2CEM/UFS
TÍTULO: INFLUÊNCIA DO TETRAETILORTOSILICATO E ETILENOGLICOL NO POLIMORFISMO E MORFOLOGIA DE CACO3 EM MATRIZES CIMENTÍCIAS NA IDADE INICIAL DE HIDRATAÇÃO
PALAVRAS-CHAVES: Etilenoglicol; TEOS; Agente de autorreparo; Matriz cimentícia; Carbonato de cálcio; Polimorfismo; Morfologia.
PÁGINAS: 112
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia de Materiais e Metalúrgica
RESUMO:

O polimorfismo, estabilização e morfologia do carbonato de cálcio (CaCO3) em sistemas
puros e biomineralização é um tópico amplamente discutido. Nas últimas duas décadas, estudos
em matrizes cimentícias mostraram que esse composto tem potencial aplicação como agente de
autorreparo autógeno de microfissuras em concreto. No entanto, seu comportamento como agente
de autorreparo ainda não está plenamente elucidado, particularmente na presença de aditivos. E
um dos aspectos a ser considerado é a correlação entre morfologia e capacidade de autorreparo.
Para tanto é necessário encontrar as condições de controle e estabilização dos diferentes polimorfos
CaCO
3 na presença de aditivos em matriz cimentícia.
Desta forma, foi investigada a influência dos aditivos etilenoglicol (EG) e o tetraétilortosilicato (TEOS), também estudados como agentes de autorreparo, na formação e polimorfismo
de CaCO
3 em matriz cimentícia nas idades iniciais de cura. Os materiais resultantes foram
caracterizados por MEV, DRX, TGA e FTIR. Os aditivos foram dissolvidos em uma mistura de
água deionizada e etanol a 50% (w/w) e posteriormente incorporados a pasta cimentícia. As
amostras foram moldadas por 24 horas a 23°C, depois curadas por mais 24 horas a 23 e 75°C.
Os resultados mostram que TEOS e EG exercem um papel significativo na mediação do
hábito morfológico dos cristais de CaCO
3. A vaterita é predominante em ambos os sistemas
durante a cura a 23°C. O TEOS promove morfologias dendríticas de vaterita, compostas por placas
finas alongadas que divergem radialmente, enquanto o EG promove morfologias compactas de

vi
'couve-flor', compostas por cristais aciculares. A 75°C, a aragonita predomina na microestrutura
do sistema EG com auto-organização de mesocristais pseudo-hexagonal e o crescimento
esferulítico desses cristais com morfologia tipo 'ouriços-do-mar'. Após 24h de cura hidrotérmica
no sistema TEOS observa-se o consumo de portlandita para formar C-S-H fibrilar. Os resultados
mostram que o EG apresenta uma maior precipitação e diversidade de polimorfos de CaCO
3,
indicando uma melhor estabilização das diversas fases, nas condições de tempo e temperatura
estudadas. Enquanto que o TEOS mostra influência favorável na formação continuada de C-S-H
fibrilar, inclusive a partir do consumo da portlandita, que entrelaça e densifica a microestrutura,
demonstrando características favoráveis de autorreparo no sistema via formação do C-S-H.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2523631 - ELIANA MIDORI SUSSUCHI
Externo à Instituição - GISELA AZEVEDO MENEZES BRASILEIRO
Interno - 1495228 - IARA DE FATIMA GIMENEZ
Presidente - 426679 - LEDJANE SILVA BARRETO
Interno - 2243395 - ZELIA SOARES MACEDO

Notícia cadastrada em: 28/01/2020 09:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2024 - UFRN - bigua3.bigua3 v3.5.16 -r19181-717445561f