A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: RANNA HEIDY SANTOS BEZERRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RANNA HEIDY SANTOS BEZERRA
DATA: 24/02/2022
HORA: 08:00
LOCAL: meet.google.com/xht-yjhm-eiy (virtual)
TÍTULO: Indução de mecanismos de defesa indireta em plantas de mandioca
PALAVRAS-CHAVES: defesas indiretas; interações tritróficas; COVs, NEF, cis-jasmona, Mononychellus tanajoa; Neoseiulus idaeus.
PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

As plantas de mandioca possuem diversos mecanismos de defesa contra a herbivoria, incluindo pilosidades, compostos cianogênicos, emitem COVs e segregam néctar extrafloral (NEF), porém poucos estudos têm abordado a indução de defesas indiretas e a sua influência nos segundo e terceiro níveis tróficos. Recentemente demonstramos que as plantas de mandioca emitem uma mistura de COVs induzidos que diferem qualitativa e quantitativamente quando submetidas à herbivoria de diferentes espécies, mas ainda não se sabe quais efeitos esses COVs podem causar aos herbívoros e inimigos naturais. Acreditando que a indução de COVs por herbivoria possui influência na atração de inimigos naturais e no comportamento do herbívoro, o presente trabalho propôs investigar os efeitos dos COVs induzidos pelo ácaro Mononychellus tanajoa em plantas de mandioca sobre o comportamento do ácaro predador Neoseiulus idaeus e dos ácaros coespecíficos, além de verificar se existe diferença na produção de NEF e nectários entre plantas sadias e submetidas à diferentes tipos de
dano. Para realizar a indução de COVs, as plantas de mandioca foram submetidas a herbivoria de 500 ácaros durante 72h. Em seguida, foram realizados bioensaios de olfatometria para verificar as preferências olfativas dos ácaros herbívoro e predador. Para verificar a indução da secreção de NEF e nectários, as plantas foram submetidas separadamente aos danos causados artificialmente e pela herbivoria de 500 ácaros, além da aplicação exógena de cis-jasmona. Os ácaros herbívoros mostraram preferência por plantas não infestadas sobre o ar limpo e por plantas sadias em comparação às plantas infestadas. Os ácaros predadores preferiram plantas sadias sobre o ar limpo e plantas sob herbivoria de M. tanajoa em comparação às plantas sadias. Apesar de haver um pico na produção de NEF e no número de nectários das plantas submetidas ao dano mecânico no segundo dia e nas plantas submetidas à herbivoria no quinto dia, a ANOVA não mostrou diferença significativa entre os tratamentos analisados. Os estudos envolvendo as interações mediadas por COVs induzidos e a atração de inimigos naturais, bem como as respostas de defesa das plantas à diferentes agentes estressores podem ser importantes para adoção
de medidas de controle biológico mais eficazes e sustentáveis.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2019137 - BIANCA GIULIANO AMBROGI
Interno - 1674021 - LEANDRO DE SOUSA SOUTO
Interno - 1714324 - JEAN CARLOS SANTOS
Externo à Instituição - MIRYAN DENISE ARAUJO CORACINI
Externo à Instituição - ANTONIO EUZEBIO GOULART SANTANA

Notícia cadastrada em: 23/02/2022 11:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r17718-4d8e4e57be