Notícias

Banca de DEFESA: TÂNIA SILVA NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TÂNIA SILVA NASCIMENTO
DATA: 21/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Mini auditório do CCET
TÍTULO: A TECNOLOGIA ASSISTIVA NO ENSINO DE QUÍMICA PARA CEGOS: INTERFACES PARA CONSTRUÇÃO DAS REPRESENTAÇÕES MENTAIS
PALAVRAS-CHAVES: Ensino de Química. Tecnologia Assistiva. Acessibilidade. Deficiência Visual. Adesivo Tátil Policromático
PÁGINAS: 111
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Ensino-Aprendizagem
ESPECIALIDADE: Métodos e Técnicas de Ensino
RESUMO:

A presente dissertação apresenta discussões centradas no Ensino de Química, Deficiência Visual e sobre as Tecnologias Assistivas e teve por objetivo geral analisar a utilização do adesivo tátil policromático no estudo sobre funções orgânicas por uma aluna com deficiência visual. A constante busca por materiais e metodologias capazes de alcançar de maneira inclusiva e satisfatória todos os alunos no estudo da química sem dúvida tem sido a mola propulsora para um melhor desenvolvimento das pessoas com deficiência visual em sala de aula. Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso sob a perspectiva de Yin (2001), tendo como participantes uma aluna com deficiência visual, três normovisuais, um brailista e uma amblíope. As etapas da investigação inclui construção da Tecnologia Assistiva, validação instrumental e aplicação do material com alunos de uma escola pública estadual. O instrumento de coleta de dados constituiu-se de gravações transcritas, questionários, entrevistas por meio de questionário semi-estruturado, fotografias, atividade escolar e anotações. Para a análise de conteúdo nos baseamos em Bardin (2016). Como subsídios teóricos, a pesquisa embasou-se nos seguintes teóricos: Guijarro (2005), Januzzi (2006), Mazzota (2005) que discutem sobre a inclusão sob a perspectiva histórica e conceitual; Schwahn (2015), Raposo e Mol (2010), Pires et al (2007) que estudam o ensino de química e a deficiência visual; Pitano e Noal (2018) e Ormelezzi (2000) que explanam sobre a construção das representações mentais; Bresch (2017) que explicita a respeito das Tecnologias Assistivas. Os resultados corroboram para a necessidade de reflexões mais apuradas no que diz respeito à construção e utilização de materiais didáticos para que a funcionalidade não se reduza a mero instrumentalismo. A análise dos dados nos permitiu constatar que mesmo que a capacidade de abstração em cegos seja superior se comparada a dos normovisuais, aqueles precisam de estímulos e experiências concretas específicas mediadas por métodos e materiais adequados. O adesivo tátil policromático elaborado e aplicado, mostrou-se um aliado no ensino sobre funções orgânicas como também no estímulo para elaboração da imagem mental pela aluna cega.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 396753 - SAMISIA MARIA FERNANDES MACHADO
Interno - 1655045 - ERIVANILDO LOPES DA SILVA
Externo ao Programa - 1552042 - ALEXANDRA EPOGLOU
Notícia cadastrada em: 06/02/2020 15:42
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r15440-bf36319aa9