Notícias

Banca de DEFESA: LUIZ HENRIQUE BARROS DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZ HENRIQUE BARROS DA SILVA
DATA: 21/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Didática 7 - sala 101
TÍTULO: Capacidades de Pensamento Crítico em atividades experimentais investigativas: uma perspectiva para a abordagem metodológica da Pesquisa de Desenvolvimento
PALAVRAS-CHAVES: Atividades Investigativas; Pensamento Crítico; Design Research
PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Química
RESUMO:

Sabe-se que cada vez mais é necessário estimular o pensamento crítico e reflexivo dos estudantes, para contribuir com sua capacidade de tomar decisões conscientes e adquirir posicionamentos construídos com base em ideias sólidas não somente em contextos escolares, mas contextos de vida também. Tenreiro-Vieira e Vieira (2001) descrevem o Pensamento Crítico (PC) como a capacidade de estruturar suas escolhas de forma voluntária e fundamentada em argumentos. Alguns autores defendem que as atividades investigativas (AI) surgem como uma abordagem que possibilita o desenvolvimento da autonomia dos estudantes uma vez que solicitam dos mesmos a tomada de decisão frente à problemas. Este trabalho tem como objetivo identificar quais características uma AI precisa ter para que seja mobilizadora do PC. Como metodologia de desenvolvimento das atividades investigativas foi adotada a Design Research, também conhecida como pesquisa em design educacional. Com focos diferentes, as pesquisas em design educacional podem ser entendidas como o conjunto de abordagens de pesquisa que buscam gerar conhecimento sobre problemas da prática educacional aumentando o conhecimento sobre elas. Dessa forma, esta pesquisa adota um sistema de elaboração – validação – reelaboração, onde as validações sucessivas são entendidas como parte do processo de geração de conhecimento sobre o material que busca-se desenvolver para atender a um determinado objetivo. A partir da investigação da realidade escolar foram elaboradas três AI que foram validadas por um grupo de pesquisa em ensino de ciências, por professora da educação básica, por mestres em temas relacionados a esta pesquisa, por alunos de ensino médio em pequenos grupos e com aplicação em sala de aula. Para apresentar o problema de investigação foi escolhido um caso investigativo (CI), que traz uma situação problema para ser analisada que possui proximidade com a realidade dos estudantes. Cada validação deu origem a um novo protótipo das atividades. Os resultados das validações são analisados a partir da Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011). Nas etapas de validação desenvolvidas até então, pode-se notar que apresentar o problema de investigação a partir de um CI pode ser uma boa opção para promover o PC. Um dos princípios de design que pôde ser notado é que os temas das AI devem partir da realidade concreta do aluno, sem distorcê-la para incitar a investigação. A validação com os estudantes indicou que a forma como o caso é escrito pode fazer com que os alunos sintam afinidade com a situação mostrada no caso, gerando engajamento com a investigação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1655045 - ERIVANILDO LOPES DA SILVA
Interno - 365.994.988-41 - WELINGTON FRANCISCO
Externo à Instituição - TATIANA SANTOS ANDRADE
Notícia cadastrada em: 24/01/2020 09:12
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r15440-bf36319aa9