Notícias

Banca de DEFESA: AYSLAN SOBRAL REZENDE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AYSLAN SOBRAL REZENDE
DATA: 21/03/2019
HORA: 09:00
LOCAL: Sala do PPGECIMA
TÍTULO: Os argumentos de licenciandos em Biologia sobre o uso do conceito de raça para seres humanos em uma Sequência de Ensino Investigativa
PALAVRAS-CHAVES: Argumentação, Licenciandos em Biologia, Sequência de Ensino Investigativa, Raça
PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Ensino-Aprendizagem
ESPECIALIDADE: Métodos e Técnicas de Ensino
RESUMO:

O conceito de raça tem sido historicamente usado de diferentes maneiras em distintas áreas do conhecimento, estendendo-se inclusive à espécie humana, de modo a caracterizar indivíduos ou grupos sociais. Considerando-se o atual paradigma da Biologia, o tradicional conceito classificatório de raça como delimitador de diferenças significativas entre seres humanos é inválido. Todavia, apesar de sua inconsistência do ponto de vista biológico, a ideia de raça continua sendo utilizada como termo demarcador de diferenças entre as pessoas, sobretudo por sua relação com a identidade de grupos específicos na sociedade. Tendo-se em vista a importância de problematizar as ideias relacionadas a tal conceito, suas apropriações e seus desdobramentos em diferentes campos do conhecimento e esferas sociais, buscamos nesta pesquisa caracterizar a estrutura e a qualidade dos argumentos elaborados por licenciandos do curso de Biologia da UFS sobre o tema “Raça Humana”. Com tal objetivo, foi aplicada uma Sequência de Ensino Investigativa (SEI) a alunos de uma disciplina pedagógica de tal curso. A SEI foi estruturada com inspiração no modelo proposto por Pedaste (2015) e possui como questão central: É pertinente o uso do conceito de raça para seres humanos?” Os dados foram coletados por meio de um questionário contendo a questão central da SEI. Para a análise, utilizamos o modelo proposto por Osborne, Erduran e Simon (2004), que corresponde a uma adaptação do modelo de Toulmin (1958). Os resultados apontam que a maioria dos lienciandos considera pertinente o uso do termo raça para seres humanos, porém coloca restrições para tal uso, tendo em vista que este se alia a ideias preconceituosas e discriminatórias. As justificativas, em sua maioria, têm aporte em concepções que representam apropriações superficiais do discurso científico, tanto das ciências sociais, quanto das biológicas. Demonstra-se pouco aprofundamento do discurso da Biologia, dos aportes da Genética para justificar os pontos de vista apresentados. Todavia, pode-se inferir que uma parte dos licenciandos considera frágil a referência biológica para o conceito de raça, sobretudo por enfatizarem a sua relevância na dimensão da construção social e contribuição para a identidade das pessoas. Do ponto de vista da estrutura dos argumentos foram encontrados 7 grupos, sendo que os argumentos mais complexos apresentaram os seguintes elementos: Dado (D), Conclusão (C), Condições para conclusão (CPC), Conhecimento de Base (CB) e Refutador (R). Os argumentos mais simples constituíram-se apenas de dados teóricos (D) e conclusão (C). Foram encontrados, ainda, textos que não se constituíam em argumentos, por não apresentarem justificativas para as conclusões propostas ou por não apresentarem uma conclusão definida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1039338 - ADJANE DA COSTA TOURINHO E SILVA
Interno - 1212624 - EDINÉIA TAVARES LOPES
Externo à Instituição - MARCELO TADEU MOTOKANE
Notícia cadastrada em: 18/03/2019 15:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r15440-bf36319aa9