A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: BARUC CORREIA FONTES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BARUC CORREIA FONTES
DATA: 04/06/2018
HORA: 09:30
LOCAL: A definir
TÍTULO: O SONHO DO JALECO BRANCO: AÇÕES AFIRMATIVAS E OS DISCURSOS DE ESTUDANTES E PROFESSORES DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: Políticas afirmativas, desigualdades, discursos, conflitos.
PÁGINAS: 139
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O presente trabalho trata de analisar os discursos que docentes, estudantes cotistas e não cotistas, do curso de medicina da Universidade Federal de Sergipe, Campus São Cristóvão, têm a respeito das políticas afirmativas. O objetivo desse trabalho é compreender se os discursos acerca da política de cotas raciais e sociais no ensino superior são um fator significativo para construção de conflitos entre os atores da comunidade acadêmica, sejam eles: estudantes cotistas, não cotistas e docentes. A pesquisa se caracteriza como qualitativa, tendo como instrumento de coleta de dados a entrevista semiestruturada e a análise de conteúdo temático de Bardin, como instrumento para análise dos dados. Foram entrevistados 23 atores sociais com as características outrora citadas. Os resultados apontam para a criação de estratégias de acesso ao ensino superior por parte dos/as estudantes, que se desdobra na opção pela política de cotas como uma das estratégias utilizadas, além da utilização de cursinhos preparatórios para o vestibular; também foi notório que os discursos acerca da política de cotas na universidade são diversos, apresentando argumentos que indicam para a aceitação integral e parcial com restrições, denotando ser esse um assunto tratado com cuidado devido às questões politicamente corretas envolvidas que o circunda. A questão dos conflitos não foi identificada entre os/as estudantes, os/as quais demonstram relações amistosas a partir da convivência estabelecida no cotidiano do curso, no entanto, foram apontados conflitos a partir das relações entre estudantes e docentes, estando as maiores críticas voltadas para os estranhamentos dos/as docentes a partir da inserção de estudantes cotistas, estes vão desde questionamentos acerca das condições financeiras desses estudantes para obtenção de material do curso e para aquisição de bens – automóvel, por exemplo – ao questionamento sobre a eficácia da política de cotas no ensino superior tendo em vista as dificuldades na educação básica, da mesma maneira que a diversidade no departamento altera o perfil dos formandos. Além disso, ficou evidente, tanto por uma parcela de estudantes quanto por docentes, ressalvas às cotas raciais em detrimento às cotas sociais, tendo como justificativa a ideia de que as desigualdades se expressam a partir de um marcador financeiro, rejeitando-se a questão racial como sendo útil para ser um marcador no acesso ao ensino superior a partir de políticas afirmativas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2512859 - FRANK NILTON MARCON
Externo à Instituição - LUIZ AUGUSTO DE SOUZA CARNEIRO DE CAMPOS
Presidente - 1227719 - PAULO SERGIO DA COSTA NEVES

Notícia cadastrada em: 18/05/2018 08:57
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r17747-27307b9759