Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JUAN MANUEL RUIZ ESPARZA AGUILAR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JUAN MANUEL RUIZ ESPARZA AGUILAR
DATA: 20/12/2012
HORA: 08:30
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO:

SUSTENTABILIDADE DAS COMUNIDADES DE AVES NAS ÁREAS PROTEGIDAS DO ESTADO DE SERGIPE.


PALAVRAS-CHAVES:

COMUNIDADES,SUSTENTABILIDADE E AVES.


PÁGINAS: 47
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

As alterações ou destruição dos habitats nas florestas das regiões neotropicais são o principal fator de interesse para a conservação. As aves silvestres podem ser usadas como indicadores das alterações ou mudanças na qualidade dos habitats. As espécies da avifauna ocupam muitos nichos ecológicos e tróficos das florestas, distribuindo-se desde o solo até as copas das árvores, apresentando elevado grau de fidelidade a biomas e habitats específicos. No Brasil encontramos quase um quinto das aves conhecidas do mundo (1.832espécies). Em Sergipe podemos encontrar até 462 espécies de aves, mas ainda existe um grande vazio de conhecimento geral da avifauna para o estado. O presente trabalho tem como objetivos caracterizar e comparar a estrutura e composição das comunidades de aves de duas Unidades de Conservação (UC) estaduais de Sergipe, avaliar aspectos ecológicos das comunidades e identificar evidências de impactos antrópicos com a finalidade de contribuir para a consolidação e manejo das áreas, visando garantir sua conservação efetiva em longo prazo. Os levantamentos das aves serão realizados em duas UCs estaduais, as quais são as únicas em Sergipe que apresentam os instrumentos para gestão descritos na legislação pertinente. A primeira é o Refúgio de Vida Silvestre da Mata do Junco (RVSMJ) que protege uma área aproximada de 900 ha, de Mata Atlântica, e a segunda, é o Monumento Natural da Grota do Angico (MNGA) que protege uma área de 2.138 ha do bioma exclusivamente brasileiro, a Caatinga. Dentro destas UCs faremos amostragem das aves utilizando dez redes de neblina (2,5 x 10 m) e as listas de MacKinnon (10 espécies). Como resultados preliminares no RVSMJ foram capturadas 59 espécies de aves sendo que duas destas se encontram em duas categorias de risco: Pyriglena atra - em perigo e Herpsilochmus pectoralis - vulnerável. Jáno MNGA capturamos 81 espécies de aves incluindo seis endêmicas da Caatinga, Aratinga cactorum,Hydropsalis hirundinaceus Thamnophilus capistratus, Paroaria dominicana, Sporophila albogularis ePseudoseisura cristata, além de uma espécie migratória oriunda do sul do continente Elaenia chilensisForam reconhecidos diferentes impactos antrópicos como a caça e captura ilegal de fauna silvestre, além do desmatamento. Na zona de amortecimento do RVSMJ existem dois assentamentos rurais, já no MNGA existem oito assentamentos, os quais exercem uma pressão sobre os recursos naturais existentes nas UCs. Com a continuidade deste estudo iremos avaliar os impactos antrópicos sobre as comunidades de aves, com o intuito de realizar uma proposta para consolidar o manejo das UCs, visando garantir seus objetivos de conservação em longo prazo.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1819383 - ADRIANA BOCCHIGLIERI
Externo à Instituição - ANDRESSA SALES COELHO
Presidente - 1153037 - STEPHEN FRANCIS FERRARI
Notícia cadastrada em: 12/12/2012 09:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r13123-abfc75de94