A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: CARMELITA RIKELLY SANTOS DE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARMELITA RIKELLY SANTOS DE SOUZA
DATA: 31/08/2022
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do PRODEMA
TÍTULO: A importância dos serviços ecossistêmicos aquáticos para pescadores e pescadoras artesanais do bairro Coroa do Meio em Aracaju/SE.
PALAVRAS-CHAVES: ambiente costeiro, território da pesca artesanal, crescimento urbano, (in)sustentabilidade, degradação ambiental.
PÁGINAS: 48
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O ser humano é uma das espécies do ecossistema global e a sua reprodução éinerente ao fornecimento de serviços ecossistêmicos terrestres e aquáticos. Todavia, omodelo de desenvolvimento urbano prevalente nas cidades costeiras do Brasil e emSergipe tem gerado a supressão dos serviços ecossistêmicos aquáticos de provisão, comoa pesca artesanal. A sustentabilidade da pesca artesanal é uma das metas do ODS14 daAgenda 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. A sua concretização exigea cooperação entre distintos sujeitos e agentes aliados aos saberes das populações locais.
Neste sentido, a percepção e os saberes tradicionais do pescador e da pescadora tornam-se essenciais para o planejamento e gestão territorial. Essa pesquisa teve como objetivo
geral compreender as vivências do pescador e da pescadora artesanal do bairro Coroa doMeio em Aracaju/SE nos ecossistemas aquáticos da área. E como específicos: identificaro saber fazer da pesca artesanal; analisar as percepções ambientais do pescador e dapescadora artesanal e conhecer a importância social, econômica e cultural dos serviçosecossistêmicos aquáticos para o pescador e pescadora artesanal. Ao emaranharecossistemas aquáticos, terra e céu, como sendo seus domínios o pescador e pescadoraartesanal revelam possuir um saber tridimensional do espaço em que vivem. Sendo assim,entender o mundo da vida do pescador e da pescadora artesanal implica perceber comoessas pessoas interagem com a natureza na forma específica de como ela se lhe impõe.Isso porque é no mundo da vida que se desenvolve a percepção. Os saberes da pescaartesanal são transmitidos de forma oral pelos membros mais velhos, situação que revelao emaranhamento entre percepção ambiental, consciência, memória social, narrativa eterritorialidades pesqueiras. A relevância social do estudo se respalda em buscar entendera realidade de uma comunidade de pescadores e pescadoras artesanais que vivem numterritório com disputas e conflitos. Onde os ecossistemas aquáticos estão impactados como assoreamento e a degradação ambiental. Esse contexto atinge a principal fontereprodutiva da comunidade pesqueira. O processo de consciência acerca da importânciados serviços ecossistêmicos aquáticos é um movimento aprendido pelo corpo. Apercepção vai ser resultado do dar-nos conta que é a consciência entrelaçada à memória.Nesta pesquisa utilizou-se a Fenomenologia como método e a metodologia de HistóriaOral de Vida como subsídio para o estudo da consciência do ser pescador e ser pescadora.A análise da tessitura da história oral de vida dos participantes deu-se com a entropatiada pesquisadora para a conexão dessas vivências. Revelou-se o papel do corpo no campodas percepções ambientais sobre as dinâmicas e mudanças dos ecossistemas aquáticos, asquais convergiram sobre a sociedade e o Estado como responsáveis pela conservação ounão dos ecossistemas, dos estuários do rio Sergipe e rio Poxim, do “Poço da Draga” econsequentemente, da pesca artesanal. Essa consciência evidenciou a compreensão darelação sociedade-territórios pesqueiros; as qualidades de comunicação; a sabedoria paraencontrar respostas relacionadas aos problemas práticos da vida e a capacidade em seorganizar em defesa do ecossistema, do território e da sua reprodução social.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 3185055 - GICÉLIA MENDES DA SILVA
Externo ao Programa - 426626 - HELIO MARIO DE ARAUJO
Presidente - 1190318 - NUBIA DIAS DOS SANTOS

Notícia cadastrada em: 23/08/2022 09:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5