A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CARMELITA RIKELLY SANTOS DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARMELITA RIKELLY SANTOS DE SOUZA
DATA: 27/07/2021
HORA: 08:30
LOCAL: google meet
TÍTULO: ANÁLISE DAS QUESTÕES SOCIOAMBIENTAIS DOS PESCADORES E PESCADORAS ARTESANAIS DO BAIRRO COROA DO MEIO EM ARACAJU/SE COM BASE NA NOÇÃO HUSSERLIANA DO MUNDO DA VIDA. (2000 a 2021
PALAVRAS-CHAVES: Mundo da vida; pescadores e pescadoras artesanais; Espaço urbano; Territorialidades da pesca; cartografia social; Bairro Coroa do Meio.
PÁGINAS: 48
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O objeto de estudo desta pesquisa são as questões socioambientais no entorno do mundo da vida de pescadores e pescadoras artesanais do bairro Coroa do Meio, localizado no litoral da zona sul da capital Aracaju/SE. Para a compreensão do fenômeno estudado adota-se a perspectiva fenomenológica do mundo da vida (lebenswelt) husserliana. O objetivo geral é analisar como essas questões socioambientais foram e são experienciadas pelos pescadores e pescadoras num intervalo de tempo entre ano 2000 e 2021. E tem como objetivos específicos: analisar através das narrativas dos pescadores e pescadoras as ações e motivos que levam essas pessoas a realizarem a pesca artesanal nos ecossistemas costeiros dominantes na área de estudo, apresentando o espaço/mundo vivido dessas pessoas; diagnosticar através das narrativas e de mapas mentais as territorialidades e o saber fazer desses pescadores artesanais; analisar os mapas mentais dos pescadores quanto às suas representações espaciais e simbólicas; analisar as transformações socioambientais do ecossistema manguezal a partir do olhar dos pescadores e pescadoras artesanais. Tendo em vista a flexibilidade do método fenomenológico quanto ao percurso da pesquisa, elaboramos um trajeto metodológico a partir do seguintes instrumentos para coleta de dados: a etnografia – como estratégia de observação e participação; a entrevista narrativa – como instrumento para obtenção da descrição das experiências do mundo da vida; a fotografia – como ferramenta de enriquecimento da observação e da entrevista e como componente de leitura da paisagem e do mundo vivido; e o mapa mental – para coletar e interpretar dados referentes às percepções do território pesqueiro e das representações espaciais da pesca dos sujeitos da pesquisa, culminando com a cartografia social. Das descrições experienciais dos participantes da pesquisa espera-se identificar as categorias de ação dessas pessoas que expressam aspectos significativos da vivência. A visão compreensiva embasada na fenomenologia sociológica de Alfred Schutz possibilitará desvelar um espaço vivido de pescadores artesanais até o presente. As representações espaciais dos pescadores revelarão o saber/fazer adquirido transgeracionalmente. Os resultados dessa pesquisa poderão contribuir para o desenvolvimento criativo de políticas públicas mais abrangentes que possam incluir o pescador e a pescadora artesanal nas tomadas de decisão pública direcionadas a mitigação dos problemas socioambientais do seu próprio mundo da vida


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1190318 - NUBIA DIAS DOS SANTOS
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Interno - 3185055 - GICÉLIA MENDES DA SILVA
Externo ao Programa - 426626 - HELIO MARIO DE ARAUJO
Externo à Instituição - IGOR ALEX BINDER D'ANGELIS

Notícia cadastrada em: 26/07/2021 16:12
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema1.ema1 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5