Notícias

Banca de DEFESA: LUANA BRITO LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUANA BRITO LIMA
DATA: 27/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: USO E COBERTURA DA TERRA NO ASSENTAMENTO JACARÉ-CURITUBA, SE COM O USO DA IMAGEM DO SATÉLITE GAOFEN-2
PALAVRAS-CHAVES: Geoprocessamento. Paisagem. Desenvolvimento Sustentável.
PÁGINAS: 64
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A pesquisa é realizada no assentamento rural Jacaré-Curituba, que abriga um perímetro irrigado e está inserido no território de dois municípios: Canindé do São Francisco e Poço Redondo, no alto sertão sergipano, ambos situados às margens do Rio São Francisco e com forte presença do bioma Caatinga. Desde a implantação do Perímetro Irrigado Jacaré-Curituba em 2007, a paisagem do assentamento vem sofrendo grandes modificações, e os impactos ambientais das práticas agrícolas ganham destaque nesse cenário. Tendo isso em vista, a seguinte pesquisa teve como objetivo: levantar o uso e cobertura da terra no perímetro irrigado Jacaré-Curituba e assim fornecer subsídios para políticas públicas de estímulo ao desenvolvimento sustentável. A metodologia foi feita a partir dos seguintes processos: revisão de literatura; escolha de uma imagem do satélite alta resolução, o Gaofen-2; processamento da imagem com as técnicas de sensoriamento remoto no software QGis; e posteriormente, realização dos seguintes tipos de classificação: manual (mais fiel à realidade), supervisionada interativa e supervisionada com o uso do algoritmo Máxima Verossimilhança (MaxVer). As duas classificações não manuais geraram mapas de uso da terra que foram avaliados segundo sua qualidade através da matriz de confusão que extraiu coeficiente Kappa e exatidão global. Dentre elas, a classificação MaxVer obteve maior Kappa 0,59. Os mapas de uso e cobertura da terra obtidos com a classificação manual e com MaxVer foram submetidas a um recorte que extraiu as Áreas de Proteção Permanente (APPs) do assentamento para avaliação da existência de conflitos em relação ao que é preconizado pelo Código Florestal (Lei 12.651/2012). Ao final, foi possível avaliar a distribuição das classes de uso e cobertura da terra no assentamento e verificou-se que cerca de 50% está coberta por vegetação nativa e que 30% das áreas da APPs estão antropizadas, ou seja, em conflito com legislação. Ao final, foi possível indicar estratégias para adequação do assentamento ao Código Florestal e promoção da sustentabilidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1739891 - MILTON MARQUES FERNANDES
Interno - 1834882 - ARIOVALDO ANTONIO TADEU LUCAS
Externo à Instituição - MARCIA RODRIGUES DE MOURA FERNANDES
Notícia cadastrada em: 18/02/2020 09:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata2.fragata2 v3.5.16 -r12646-2c874e3307