Notícias

Banca de DEFESA: SUSANA DE OLIVEIRA SANTANA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SUSANA DE OLIVEIRA SANTANA
DATA: 19/02/2020
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do DPS
TÍTULO: O EFEITO RESTAURADOR DE AMBIENTE AZUL NA PERSPECTIVA DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL (CEGUEIRA): UM ESTUDO QUASI-EXPERIMENTAL NA PRAIA
PALAVRAS-CHAVES: praia, pessoa com deficiência, ambientes restauradores, cegueira
PÁGINAS: 135
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A Psicologia Ambiental tem como seu foco de estudo a relação pessoa – ambiente. Os estudos nessa área são motivados pela necessidade de investigar a influência do ambiente na vida das pessoas como também o quanto as pessoas influenciam e afetam o ambiente. Nessa perspectiva, há grupos específicos que demandam um olhar diferenciado na apreensão de como essa relação pessoa-ambiente se configura, como as pessoas com deficiência. A incidência de pessoas com deficiência na população brasileira é grande (20 a 25%) e seu contexto diário de exposição a barreiras de deslocamento e de acesso aos ambientes, em seu convívio social, traduz a crescente preocupação com a inclusão social e a necessidade de aperfeiçoar as técnicas e estratégias de cuidado com a pessoas com deficiência e sua acessibilidade. Há muitas pesquisas consolidando o efeito restaurador pela visualização de paisagens em contextos de ambientes naturais e urbanos, no entanto, ainda há pouca evidência em relação ao efeito causado por meio de outros sentidos. Considerando as pesquisas sobre o efeito da urbanização e do convívio menos frequente com ambientes naturais, na perspectiva da teoria dos ambientes restauradores, e as características sensoriais estimulantes que ambientes de costaazuis apresentam, supõe-se que o contato com a praia pode proporcionar bem-estar e promoção de saúde na rotina de pessoas cegas, principalmente. Dessa forma, o presente estudou buscou investigar como está caracterizada a interação de pessoas cegas com ambientes de praia, o efeito desse ambiente sobre elas e as possibilidades metodológicas de investigação do fenômeno da restauração com esse público. Foi realizado um quase-experimento com 7 pessoas com deficiência visual total, de perfil sociodemográfico diverso, num contexto de praia na cidade de Aracaju-SE. Os dados obtidos foram analisados de forma qualitativa e também com o auxílio de um programa de análise estatística textual (Iramuteq). Pode se concluir que há indícios da presença do fenômeno da restauração relacionados a aspectos específicos da realidade do público da pesquisa e também foram identificados dados sobre os aspectos da percepção do ambiente relevantes para o desenvolvimento de outros estudos nessa área e com impacto para o entendimento de como a praia pode ser um ambiente restaurador para essa população.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1545169 - ZENITH NARA COSTA DELABRIDA
Interno - 266.728.008-32 - DANIELA TEODORO SAMPAIO
Externo à Instituição - ISOLDA DE ARAÚJO GÜNTHER
Notícia cadastrada em: 14/02/2020 12:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata2.fragata2 v3.5.16 -r12838-31cfbbda77