Notícias

Banca de DEFESA: DAIANY SANTOS SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DAIANY SANTOS SILVA
DATA: 25/02/2019
HORA: 09:00
LOCAL: PRODEMA / UFS
TÍTULO: Indicadores das Oscilações da Linha de Costa nas Praias de Aracaju-SE e sua Relação com as Derivações Antropogênicas
PALAVRAS-CHAVES: Praia; Georreferenciamento; Erosão/Progradação
PÁGINAS: 115
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

As praias podem ser genericamente definidas como depósitos de matéria inconsolado, formados na interface entre a terra e o mar, sob a ação de agentes como as ondas, as correntes, as marés e os ventos, sendo a primeira unidade geomorfológica da zona costeira a reagir a degradação ambiental e as mudanças energética e\ou eustática. Essas mudanças provocam os constantes ajustes morfodinâmicos da linha de costa que resultam de processos naturais e humanos. Esta dissertação enfatiza as praias do município de Aracaju que está localizado no litoral central do Estado de Sergipe – Brasil, possui aproximadamente 24 km de linha de costa e representa a parte mais peculiar do litoral de Sergipe por ser mais urbanizado e consequentemente com impactos decorrentes das ações humanas, mas ainda possuir trechos bem conservado em comparação com outras capitais do nordeste Brasileiro. Portanto, o objetivo principal desta pesquisa é avaliar a evolução espaçotemporal (2013-2018) da linha de costa de Aracaju, abordando as derivações antropogênicas ocorridas na área. A metodologia foi qualificada como do tipo quantitativo e qualitativo, por conter informações sobre a disposição do meio físico e antrópico, e possuir caráter exploratório que compreenda as causas e efeitos dessa relação nas praias. Essa abordagem tem como princípio fundamental, uma visão integrada e interdisciplinar da problemática em questão. A pesquisa foi realizada em 5 etapas principais: levantamento bibliográfico, trabalhos de campo, elaboração e analise de banco de dados, diagnóstico da evolução com elaboração de produtos cartográficos e avaliação das correlações dos produtos com as derivações antropogênicas do litoral. O mapeamento foi realizado com auxílio da tecnologia do GPS TRIMBLE R6, que possibilitou o trabalho com dados com alta resolução e precisão, a delimitação da linha de costa no campo se deu através de geoindicadores, sendo os principais a escarpa de praia e a linha de preamar. Atribuíram-se a linha de costa três classes conforme os processos indicados nos trechos, sendo eles: progradação, equilíbrio dinâmico e erosão. Evidenciou-se que os processos mais significativos de erosão e progradação se encontram mais ao norte e estão relacionados a desembocadura do rio Sergipe. Com avanço da linha de costa de até 227m e recuo de até 20m em 5 anos. Diante desse quadro, foi possível avaliar a relação entre a evolução dos geoindicadores com as oscilações da linha de costa, além de discutir a relação dessas evoluções com as derivações antropogênicas. Embora a pesquisa não apresente senários futuros, os dados gerados alinhados as últimas pesquisas desenvolvidas na área, deixam claro o cenário de instabilidade e consequente riscos socioambientais, fortalecendo a importância do monitoramento contínuo da linha de costa para o gerenciamento efetivo do litoral Aracajuano.

Indicadores das Oscilações da Linha de Costa nas Praias de Aracaju-SE e sua Relação com as Derivações Antropogênicas

As praias podem ser genericamente definidas como depósitos de matéria inconsolado,
formados na interface entre a terra e o mar, sob a ação de agentes como as ondas, as
correntes, as marés e os ventos, sendo a primeira unidade geomorfológica da zona
costeira a reagir a degradação ambiental e as mudanças energética e\ou eustática. Essas
mudanças provocam os constantes ajustes morfodinâmicos da linha de costa que
resultam de processos naturais e humanos. Esta dissertação enfatiza as praias do
município de Aracaju que está localizado no litoral central do Estado de Sergipe –
Brasil, possui aproximadamente 24 km de linha de costa e representa a parte mais
peculiar do litoral de Sergipe por ser mais urbanizado e consequentemente com
impactos decorrentes das ações humanas, mas ainda possuir trechos bem conservado em
comparação com outras capitais do nordeste Brasileiro. Portanto, o objetivo principal
desta pesquisa é avaliar a evolução espaçotemporal (2013-2018) da linha de costa de
Aracaju, abordando as derivações antropogênicas ocorridas na área. A metodologia foi
qualificada como do tipo quantitativo e qualitativo, por conter informações sobre a
disposição do meio físico e antrópico, e possuir caráter exploratório que compreenda as
causas e efeitos dessa relação nas praias. Essa abordagem tem como princípio
fundamental, uma visão integrada e interdisciplinar da problemática em questão. A
pesquisa foi realizada em 5 etapas principais: levantamento bibliográfico, trabalhos de
campo, elaboração e analise de banco de dados, diagnóstico da evolução com
elaboração de produtos cartográficos e avaliação das correlações dos produtos com as
derivações antropogênicas do litoral. O mapeamento foi realizado com auxílio da
tecnologia do GPS TRIMBLE R6, que possibilitou o trabalho com dados com alta
resolução e precisão, a delimitação da linha de costa no campo se deu através de
geoindicadores, sendo os principais a escarpa de praia e a linha de preamar. Atribuíram-
se a linha de costa três classes conforme os processos indicados nos trechos, sendo eles:
progradação, equilíbrio dinâmico e erosão. Evidenciou-se que os processos mais
significativos de erosão e progradação se encontram mais ao norte e estão relacionados
a desembocadura do rio Sergipe. Com avanço da linha de costa de até 227m e recuo de
até 20m em 5 anos. Diante desse quadro, foi possível avaliar a relação entre a evolução
dos geoindicadores com as oscilações da linha de costa, além de discutir a relação
dessas evoluções com as derivações antropogênicas. Embora a pesquisa não apresente
senários futuros, os dados gerados alinhados as últimas pesquisas desenvolvidas na área,
deixam claro o cenário de instabilidade e consequente riscos socioambientais,
fortalecendo a importância do monitoramento contínuo da linha de costa para o
gerenciamento efetivo do litoral Aracajuano.
As praias podem ser genericamente definidas como depósitos de matéria inconsolado,
formados na interface entre a terra e o mar, sob a ação de agentes como as ondas, as
correntes, as marés e os ventos, sendo a primeira unidade geomorfológica da zona
costeira a reagir a degradação ambiental e as mudanças energética e\ou eustática. Essas
mudanças provocam os constantes ajustes morfodinâmicos da linha de costa que
resultam de processos naturais e humanos. Esta dissertação enfatiza as praias do
município de Aracaju que está localizado no litoral central do Estado de Sergipe –
Brasil, possui aproximadamente 24 km de linha de costa e representa a parte mais
peculiar do litoral de Sergipe por ser mais urbanizado e consequentemente com
impactos decorrentes das ações humanas, mas ainda possuir trechos bem conservado em
comparação com outras capitais do nordeste Brasileiro. Portanto, o objetivo principal
desta pesquisa é avaliar a evolução espaçotemporal (2013-2018) da linha de costa de
Aracaju, abordando as derivações antropogênicas ocorridas na área. A metodologia foi
qualificada como do tipo quantitativo e qualitativo, por conter informações sobre a
disposição do meio físico e antrópico, e possuir caráter exploratório que compreenda as
causas e efeitos dessa relação nas praias. Essa abordagem tem como princípio
fundamental, uma visão integrada e interdisciplinar da problemática em questão. A
pesquisa foi realizada em 5 etapas principais: levantamento bibliográfico, trabalhos de
campo, elaboração e analise de banco de dados, diagnóstico da evolução com
elaboração de produtos cartográficos e avaliação das correlações dos produtos com as
derivações antropogênicas do litoral. O mapeamento foi realizado com auxílio da
tecnologia do GPS TRIMBLE R6, que possibilitou o trabalho com dados com alta
resolução e precisão, a delimitação da linha de costa no campo se deu através de
geoindicadores, sendo os principais a escarpa de praia e a linha de preamar. Atribuíram-
se a linha de costa três classes conforme os processos indicados nos trechos, sendo eles:
progradação, equilíbrio dinâmico e erosão. Evidenciou-se que os processos mais
significativos de erosão e progradação se encontram mais ao norte e estão relacionados
a desembocadura do rio Sergipe. Com avanço da linha de costa de até 227m e recuo de
até 20m em 5 anos. Diante desse quadro, foi possível avaliar a relação entre a evolução
dos geoindicadores com as oscilações da linha de costa, além de discutir a relação
dessas evoluções com as derivações antropogênicas. Embora a pesquisa não apresente
senários futuros, os dados gerados alinhados as últimas pesquisas desenvolvidas na área,
deixam claro o cenário de instabilidade e consequente riscos socioambientais,
fortalecendo a importância do monitoramento contínuo da linha de costa para o
gerenciamento efetivo do litoral Aracajuano.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1141161 - DANIELA PINHEIRO BITENCURTI RUIZ ESPARZA
Interno - 279481 - ROSEMERI MELO E SOUZA
Externo à Instituição - MARCO TÚLIO MENDONÇA DINIZ
Notícia cadastrada em: 28/01/2019 11:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r12176-a08508ab91