Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANDREZA MESSIAS IMIDIO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANDREZA MESSIAS IMIDIO
DATA: 17/12/2015
HORA: 16:30
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: Avaliação do uso do Barbatimão [Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & Grimes] no Entorno da Reserva Biológica Santa Isabel.
PALAVRAS-CHAVES: Planta medicinal; Conservação; propagação vegetativa; comunidade local.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O conceito de sustentabilidade relaciona-se com a necessidade que o homem tem
de explorar os recursos do meio ambiente e promover a sua resiliência. Agrega-se a este
conceito a conservação da diversidade de seres vivos, dentre eles as espécies vegetais
que sofrem devastação crescente por diversos fatores, dentre eles a pressão antrópica
sofrida e o aumento de conhecimento sobre a flora. O barbatimão, nome popular da
espécie Abarema cochliacarpos (Gomes) Barneby & J. W. Grimes é uma espécie nativa
do Brasil, pertencente a família Fabaceae e típica do bioma Mata Atlântica. O
barbatimão é encontrado em maior proporção na região nordeste do país, e em particular
no estado de Sergipe. Seus campos de ocorrência estão em remanescentes de Mata
Atlântica do estado e em campos de Restinga, margeando regiões litorâneas. A espécie
encontra-se entre as plantas medicinais da flora brasileira utilizadas pra tratar doenças
de vários tipos, razão pela qual possui uma atividade extrativista intensa sendo esta
prática uma economia local. A forma de coleta da planta, sua ocorrência em um habitat
vulnerável e a escassez de ações de recuperação da vegetação devastada trazem em
questão a permanência da espécie, sendo que ela é classificada desde 1998 na categoria
de espécie Vulnerável na Lista Vermelha de espécies ameaçadas – IUNC. O objetivo
geral desta pesquisa é analisar a utilização do barbatimão no Entorno da Reserva
Biológica Santa Isabel, em Pirambu/SE, apontando os fatores questionados sobre sua
permanência e com isso indicar técnicas conservacionistas como a propagação
vegetativa, que estejam intrinsecamente relacionadas com o padrão sustentável. Os
procedimentos metodológicos referentes a esta pesquisa englobam entrevistas com a
comunidade para aquisição de informações sobre os usos que as comunidades locais
fazem do barbatimão, a produção de plântulas em laboratório através da germinação de
sementes em casa de vegetação e in vitro e posterior realização de oficinas de caráter
educativo e pró-ativo nas comunidades locais. Serão produzidas mudas em casa-de-vegetação que serão levadas às comunidades acompanhadas de cartilhas educativas
explicando a germinação da planta, o que deve ser feito por cada um da comunidade e
porque essa planta deve ser conservada, acompanhada de diálogos diretos com a
população. As ações serão estendidas até as escolas para que as crianças possuam esse
aprendizado prático. Espera-se ao final da pesquisa obter um diagnóstico dos usos do
barbatimão quanto ao seu caráter extrativista, obter o protocolo para a micropropagação
do barbatimão visando à produção de mudas em grande quantidade a serem utilizadas
em futuros programas de recuperação de áreas degradadas e levar conhecimento à
população sobre as vulnerabilidades da espécie e necessidade de conservação.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426626 - HELIO MARIO DE ARAUJO
Presidente - 2176700 - MARLUCIA CRUZ DE SANTANA
Externo ao Programa - 1140167 - PAULO AUGUSTO ALMEIDA SANTOS
Notícia cadastrada em: 04/12/2015 09:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata2.fragata2 v3.5.16 -r12646-2c874e3307