Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: PHELLIPE CUNHA DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: PHELLIPE CUNHA DA SILVA
DATA: 31/01/2014
HORA: 15:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: Territorialidades da Educação Ambiental em Municípios Petrolíferos de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Educação ambiental. Relações de poder. Municípios petrolíferos.
PÁGINAS: 30
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Sabemos que a natureza não é uma fonte inesgotável. No entanto, o ser humano tira dela seus recursos naturais de forma não sustentável. Mesmo assim, o homem vem desde a sua existência, alterando as relações ecológicas que são processadas, muitas vezes de forma imperceptível no meio ambiente, prejudicando assim todo um ecossistema. Dessa forma, perceber que podemos com pequenos atos, tornar o nosso meio ambiente mais harmônico, é infinitamente importante. Nos anos 90, ocorre uma mudança definitiva nos rumos do ambientalismo brasileiro. Aquilo que inicialmente não teve uma grande recepção, pois se acreditava contraditório que os países que mais utilizavam os recursos naturais começassem a implantar a ideia de preservação, começou a mudar quando a opinião pública passou a ser sensibilizada por novas teorias ambientalistas. Em 27 de abril de 1999, foi criada a Lei de Nº. (9.795/99), que aprovava uma política nacional para a Educação Ambiental (EA). A partir daí, a temática ambiental passa a ser obrigatória em todos os níveis do processo educacional, de forma integrada e interdisciplinar, ou seja, o tema deve ser abordado em todas as disciplinas. A compreensão das questões ambientais pressupõe um trabalho interdisciplinar, pois a análise de problemas ambientais envolve questões políticas, históricas, econômicas, ecológicas, geográficas, enfim, processos variados. Da mesma maneira, o Território pode ser entendido por diversas vertentes, além da geográfica, sejam elas: sociológicas, antropológicas, psicológicas, políticas ou econômicas. Portanto, não seria possível compreendê-los e explicá-los pelo olhar de uma única ciência. A dimensão sociopolítica do Território está diretamente relacionada tanto com a questão petrolífera quanto com a questão ambiental, pois há uma abordagem das relações de dominação e poder, assim como das interações sociais. Neste caso, estas relações podem causar modificações na interação entre os atores sociais e o meio em que vivem. Partindo dessas premissas, o presente trabalho pretende analisar como as relações de poder interferem na efetivação da educação ambiental nos territórios petrolíferos de Sergipe. O projeto contemplará as dimensões epistemológicas, teóricas e metodológicas inseridas no processo de construção do conhecimento, articulando a fundamentação teórica à pesquisa empírica, fomentando, ao mesmo tempo, o protagonismo do sujeito pesquisador e do pesquisado. Nessa direção, serão utilizados mecanismos de interação, com o poder público local, com as empresas exploradoras de petróleo e principalmente com a comunidade localizada na área de estudo. Para isso será necessário fazer revisões bibliográficas, pesquisa documental em órgãos ou empresas responsáveis pelo uso ou fiscalização das atividades desenvolvidas na área de estudo, pesquisas de campo, realização de questionários, bem como análise e sistematização de dados, além da elaboração de gráficos, tabelas e a redação de textos e relatórios científicos. Pretende-se como resultados esperados, trazer ao conhecimento público as ações que estão sendo voltadas para a educação ambiental, sendo estas as executadas pelo poder público, pelas empresas exploradoras localizadas nos municípios de Carmópolis e Pirambu, ou mesmo pela sociedade civil; oferecer subsídios ao poder público municipal para a elaboração de políticas públicas voltadas à minimização dos prejuízos causados ao meio ambiente decorrentes da exploração petrolífera e, por fim, provocar a movimentação da sociedade civil com vistas a um maior comprometimento dos mesmos no que se refere às questões que envolvem o provimento ambiental.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3185055 - GICÉLIA MENDES DA SILVA
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Externo ao Programa - 3299294 - JOSEFA DE LISBOA SANTOS
Externo ao Programa - 1362555 - MARIA DO SOCORRO FERREIRA DA SILVA
Notícia cadastrada em: 16/01/2014 12:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r12712-85cc87cea5