A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ISABELLA CRISTINA CHAGAS CORREA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ISABELLA CRISTINA CHAGAS CORREA
DATA: 19/03/2013
HORA: 09:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO:

Natureza e Sagrado na Memória da Festa de Bom Jesus dos Navegantes.


PALAVRAS-CHAVES:

Festa,  Relação Homem-natureza, Bom Jesus dos Navegantes.


PÁGINAS: 124
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

As visões de natureza estabelecem distintas relações entre homem e o mundo natural. Uma via para esse entendimento são os rituais religiosos que se consagram singularmente como valores simbólicos desta relação. Ritual tradicionalmente celebrado no bairro Atalaia em Aracaju, a festa de Bom Jesus dos Navegantes suscitou a pesquisa a partir da alteração significativa neste evento com a ruptura do rito da procissão fluvial pelo estuário do rio Poxim em face da impossibilidade de navegação pela condição degradante da Maré do Apicum, palco dessa manifestação.  A procissão deslocou-se para via terrestre. O estudo teve como objetivo geral analisar as relações homem-natureza atribuídas por moradores do bairro Atalaia à festa do santo padroeiro Bom Jesus dos Navegantes e suas alterações desde suas primeiras experiências até os dias atuais.  Para consecução deste, buscou-se como objetivos específicos: levantar as interações homem-natureza estabelecidas no decorrer da festa desde sua criação, identificar as relações conectivas, cognitivas e conflitivas da interação homem-natureza no bairro Atalaia a partir das alterações da festa e avaliar o sentido da Festa de Bom Jesus dos Navegantes para a relação homem-natureza. A pesquisa classificada como qualitativa adotou a história oral como metodologia e instrumentais de coleta de dados quais sejam a observação livre, diário de campo, entrevistas semiestruturadas, levantamento e registro de fotografias. A memória e o sagrado foram as categorias analíticas da pesquisa por meio das quais se desnudou as relações com o meio natural pela origem da festa. Os relatos manifestaram que a permanência da procissão terrestre deu-se pela tradição, lastro pelo qual a festa se realizou por longa data. Contudo, a procissão se revela o marco da história da Atalaia, forma pela qual o homem religioso/memorioso é representado na festa. 


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JOSE FERNANDO FERREIRA AGUIAR
Presidente - 7426495 - MARIA AUGUSTA MUNDIM VARGAS
Interno - 424732 - MARIA BENEDITA LIMA PARDO

Notícia cadastrada em: 06/03/2013 10:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5