A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: GRAZIELLE FERREIRA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GRAZIELLE FERREIRA ROCHA
DATA: 20/07/2018
HORA: 08:00
LOCAL: Mini-Auditório do PROZOOTEC no Departamento de Zootecnia/UFS
TÍTULO: Nutrigenômica Aplicada à Produção de Codornas Japonesas
PALAVRAS-CHAVES: atividade antioxidante, biotecnologia, Coturnix japônica, Lippia gracillis Shauer, óleo essencial
PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Produção Animal
RESUMO:

Os óleos essenciais aromáticos apresentam poucos riscos de acúmulos nos tecidos, devido a rápida metabolização e curta meia-vida dos seus compostos ativos, sendo que estes podem atuar diretamente sobre microrganismos patogênicos. Assim podem atuar como promotores de crescimento e possivelmente substituir os antibióticos e promotores comumente utilizados na dieta dos animais. Os compostos fenólicos, carvacrol e timol, componentes majoritários do óleo essencial de Lippia gracillis Shauer, são os principais responsáveis pela ação antimicrobiana e antioxidante do óleo, no entanto, há poucas pesquisas para avaliar o efeito deste aditivo como promotor de crescimento. Deste modo, objetivou-se avaliar a resposta de codornas japonesas em crescimento a ação do óleo essencial de alecrim (Lippia gracillis Shauer) e do antimicrobiano promotor de crescimento. Para isto, foram avaliados os parâmetros desempenho, microbiologia intestinal, bioquímica do sangue e peroxidação lipídica no fígado de codornas. Foram utilizadas 252 codornas (Coturnix coturnix japônica), distribuídas em delineamento inteiramente casualizado, dividido em três tratamentos, sete repetições e doze animais por unidade experimental, durante a fase de 2 a 35 dias. Os tratamentos foram: dieta basal, dieta basal com inclusão de 400mg/kg de óleo essencial de alecrim (Líppia gracilis Schauer) e dieta basal com inclusão de 500mg/kg de bacitracina metileno disalicilato (BMD). Após o período experimental, 6 animais com o peso médio da parcela de cada tratamento, foram eutanaseados para coleta de amostras de sangue e fígado para análises posteriores. Para análise microbiológica outros dois animais de cada unidade experimental (n=14) foram eutanaseados para coleta do conteúdo intestinal. Os dados foram submetidos a análise de variância e as médias comparadas por meio do teste Tukey a 5% de probabilidade, com exceção da microbiologia que foi analisada descritivamente. Quando comparado ao antimicrobiano químico, o óleo essencial promoveu menor consumo de ração (P<0,01) e conversão alimentar (P<0,01). Houve inibição do crescimento de Escherichia coli por parte dos dois promotores de crescimento, sendo que o antimicrobiano convencional proporcionou menor crescimento de Salmonella ssp. e o óleo essencial maior crescimento de Lactobacillus ssp. Não houve diferença (P>0,05) entre os tratamentos com relação a peroxidação lipídica no fígado e sobre a atividade das enzimas AST e ALT no sangue. Menores níveis de ácido úrico (P<0,01) e creatinina (P<0,02) foram encontrados no tratamento com antimicrobiano convencional comparado ao tratamento controle. O óleo essencial de alecrim pode ser considerado um substituto dos antimicrobianos promotores de crescimento, por atuar como equilibrador da microbiota intestinal e consequentemente melhorar o desempenho produtivo de codornas japonesas em crescimento.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1996023 - GREGORIO MURILO DE OLIVEIRA JUNIOR
Interno - 2019850 - PAULA GOMES RODRIGUES
Interno - 1699576 - CLAUDSON OLIVEIRA BRITO
Externo ao Programa - 2412570 - VITTOR ZANCANELA

Notícia cadastrada em: 19/07/2018 08:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5