Notícias

Banca de DEFESA: THIAGO PAULINO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THIAGO PAULINO DA SILVA
DATA: 24/07/2017
HORA: 13:00
LOCAL: Auditório da Pós-Graduação - Didática 2
TÍTULO: “Palco de disputas e disputas pelo palco no ‘país do forró’”
PALAVRAS-CHAVES: forró, tradição, relações de poder, consumo, processos identitários.
PÁGINAS: 210
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

O forró é uma produção cultural que tem vínculos com a tradição e hoje se insere em uma lógica de consumo. Essa dupla relação tradição-consumo cultural demonstra a realidade de um mundo em transição no qual atores sociais disputam espaços em busca da sobrevivência e do reconhecimento. O presente trabalho trata das disputas entre aqueles que produzem o forró tradicional, mais conhecido como forró pé-de-serra. Entendo a tradição como uma invenção humana (mas não por isso menos importante, pois também pode conter sentidos e modos de vida que agregam socialmente os indivíduos), ela busca dentro do seu dinamismo também a sua perpetuação por entre gerações. Essa pesquisa mostra uma parte da trajetória do forró sergipano, sua história e construções de sentidos. Sentidos que começam a se confrontar já na definição do que é forró, a partir do lugar do qual se fala e das terminologias utilizadas (pé-de-serra, eletrônico, universitário). Observar os atores do forró pé-de-serra é observar também como eles se relacionam e se posicionam com a alteridade. A pesquisa procurou, por meio de biografias, depoimentos e percepções dos espaços de sociabilidade do forró (arraiais, eventos públicos e privados) compreender como a música expressa uma identificação social, de pertencimento e ao mesmo tempo, conflitos e disputas inerentes a esses processos. Observamos aqui dois tipos de disputas: uma mais concreta e direta em que o forrozeiro busca fazer sua música circular no palco de grandes eventos financiados pelo poder público como o Forró Caju; e outra mais ampla que, por vezes atravessa até o passar dos anos, ligada às disputas de sentidos, às circunstâncias e aos diferentes posicionamentos entre os atores sociais. No que diz respeito ao âmbito da primeira disputa subir ao palco para fazer a sua música circular é algo fundamental na cadeia de produção e consumo do forró. No entanto, até o momento do contato do artista com o público há etapas onde perpassam relações de poder que se materializam em ações como a definição dos critérios de escolhas de artistas, os comportamentos adotados para conseguir uma vaga nas programações juninas. Entre outros autores, adotamos a perspectiva teórica de Elias para observar de poder como configurações relações de interdependência. O gestor público, seja ele prefeito, governador ou um diretor de eventos, necessita do forrozeiro para “fazer o show acontecer” e o artista, por sua vez, precisa do palco para expressar sua arte e visão de mundo, mas também para que a sua apresentação seja consumida.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1494768 - MARCELO ALARIO ENNES
Interno - 426602 - ROGERIO PROENCA DE SOUSA LEITE
Interno - 2512859 - FRANK NILTON MARCON
Externo ao Programa - 1362715 - LUIZ GUSTAVO PEREIRA DE SOUZA CORREIA
Externo à Instituição - DURVAL MUNIZ DE ALBUQUERQUE JUNIOR
Notícia cadastrada em: 13/07/2017 15:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r10803-399c5c35c