Notícias

Banca de DEFESA: IVAN PAULO SILVEIRA SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: IVAN PAULO SILVEIRA SANTOS
DATA: 29/05/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de aula PPGS
TÍTULO: Manoel Bomfim: Trajetória, Suas Críticas e Concepções Sobre o Brasil como Nação
PALAVRAS-CHAVES: Manoel Bomfim, Trajetória, intelectuais, Nação, Teorias Raciais.
PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

Esta dissertação tem por objetivo analisar a trajetória e o pensamento de Manoel Bomfim sobre a formação da nação brasileira. Assim, esse estudo conduzir-se-á através de três perspectivas de análise: a) a trajetória da família e do autor, b) a formação acadêmica e constituição enquanto intelectual e c) a reflexão sobre a obra “A América Latina: males de origem”. A origem familiar ganha importância à medida que o autor vem de um grupo social sem estirpe, que se constituiu um “grupo social novo” em ascensão. Além do status, a formação médica influencia fortemente no uso de uma linguagem “biologizante”, com diversas metáforas médicas. Uma constante associação entre fenômenos “biológicos” e “sociais”. A formação escolar lhe permitiu os contatos sociais que o inseriram nos “meios intelectuais” brasileiros da transição do século XIX para o XX. Nesses circuitos, Bomfim participou dos debates correntes no período, muito caracterizados pelas discussões sobre questões raciais. Sobre elas, posicionou-se o autor de maneira bastante crítica, discordando de premissas raciais como, por exemplo, o “branqueamento”. Com isso, assumiu uma postura diversa da maioria dos seus pares intelectuais e das respectivas instituições as que eles representavam. Enfim, na análise da obra de estreia de Manoel Bomfim, encontraremos suas ideias básicas que ele desenvolverá nos seus trabalhos posteriores. Entre elas, a de que os “males” das nações latino-americanas estão ligados a questões da herança da colonização europeia “parasitária”. Tal herança, além de promover a espoliação dessas sociedades colonizadas, produziram nações “conservantistas”. Quer dizer, sociedades que reproduziram por “herança” os “vícios” dos colonizadores. A partir desses questionamentos sobre as condições socioeconômicas da América Latina enquanto resultado do seu “meio” e “raça”, Bomfim propôs outra concepção de nacionalidade e nação ao questionar os discursos científicos da época.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2512859 - FRANK NILTON MARCON
Interno - 6426371 - TANIA ELIAS MAGNO DA SILVA
Externo à Instituição - MARCO AURELIO DIAS DE SOUZA
Notícia cadastrada em: 16/05/2017 08:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r10787-147c949b3