A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: GILMARA DA SILVA FREIRE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GILMARA DA SILVA FREIRE
DATA: 26/09/2022
HORA: 09:00
LOCAL: SALA 2 do PPGAGRI, Campus Universitário da UFS
TÍTULO: ESTUDOS DE VIABILIDADE E CONSERVAÇÃO DE GRÃOS DE PÓLEN DE ACESSOS DE JENIPAPEIRO
PALAVRAS-CHAVES: Genipa americana L., Armazenamento, germinação, meio de cultura.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Genipa americana L. é uma espécie nativa, mas não endêmica do Brasil, sendo considerada uma frutífera de grande interesse econômico. Em Sergipe, é comumente encontrada em populações naturais dentro de pequenas propriedades agrícolas, podendo ser encontrada em fragmentos naturais de vegetação remanescente e em regiões de matas ciliares. Entretanto, mesmo diante de sua importância, ainda faltam estudos sobre sua biologia floral, e outras áreas. Em levantamento bibliográfico recente não foram encontrados na literatura estudos publicados sobre viabilidade e conservação de grãos de pólen. Diante do exposto, esse trabalho tem como objetivos avaliar a viabilidade, conservação e anatomia polínica em diferentes etapas, em acessos jenipapeiro do Banco Ativo de Germoplasma da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Foram avaliados três meios de cultura para germinação in vitro de grãos de pólen: Lora et al. (2006); Sousa et al. (1998) e Sousa et al. (1998) modificado por Moura et al. (2015), em diferentes tempos: 24, 48, 72, 120, 144, 168, 192, 216, 240, 264 e 264 horas. A viabilidade dos grãos de pólen em temperatura ambiente foi avaliada por corante carmim acético a 1% e in vitro nos seguintes tempos após a extração do pólen: 0, 24, 48, 72, 96, 120, 144, 168, 192 e 216 horas em inoculações diárias. Para o teste de conservação, serão avaliadas as seguintes condições: T1: freezer -20°C; T2: ultrafreezer - 80°C; T3: nitrogênio líquido -196°C e T4: congelador da geladeira 4°C. Aos 30, 60, 90, 120, 150 e 180 dias de conservação, amostras dos grãos de pólen serão submetidas à reidratação por duas horas, em câmara úmida e avaliadas quanto a viabilidade por corante e germinação in vitro. A polinização in vitro consistirá na transferência dos grãos de pólen que estão na condição de armazenamento (nas condições citadas anteriormente), o pólen será utilizado após um ano de conservação e será depositado nos estigmas das plantas receptoras, a polinização será realizada em laboratório. As flores receptoras serão coletadas em pré-antese e levadas ao laboratório. Estão sendo realizados estudos histológicos da morfologia do grão de pólen. Os dados coletados serão submetidos a analise de variância, e quando os fatores forem qualitativos as médias serão comparadas pelo teste de Tukey a 5%, e quando quantitativos, serão submetidos a analise de regressão. A maior porcentagem germinativa in vitro de pólen de jenipapeiro foi obtida em meio de cultura Lora por 96 h de incubação com germinação máxima estimada de 86,60%. Esses fatores promoveram uma melhor viabilidade de grãos de pólen utilizando a germinação in vitro para acesso CR3 que apresentou maior taxa de germinação entre os quatro acessos estudados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 523.499.506-20 - ANA DA SILVA LEDO
Interno - 461.265.383-15 - ANA VERUSKA CRUZ DA SILVA MUNIZ
Interno - 2483844 - RENATA SILVA MANN
Externo à Instituição - RODOLFO DE FRANCA ALVES

Notícia cadastrada em: 30/08/2022 11:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5