Notícias

Banca de DEFESA: LUIZ CARLOS DE SOUZA SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZ CARLOS DE SOUZA SANTOS
DATA: 26/03/2020
HORA: 08:00
LOCAL: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE - CAMPUS ITABAIANA
TÍTULO: A DIVERSIDADE LINGUÍSTICA E O USO DO CELULAR: RELATO, RECONHECIMENTO E CONTEXTUALIZAÇÃO
PALAVRAS-CHAVES: Escola. Diversidade linguística. Celular. Caderno pedagógico.
PÁGINAS: 69
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Letras
SUBÁREA: Língua Portuguesa
RESUMO:

A escola, tradicionalmente, privilegia nas aulas de língua portuguesa a gramática enquanto “padrão” de língua a ser aprendido pelo aluno. Essa postura ultrapassada concebe o aprendiz como mero expectador do processo de aprendizagem, provocando circunstância de silenciamento da diversidade linguística. Frisa-se, então, a necessidade da inserção de práticas sociais significativas, a partir da cultura do alunado, para ressignificar as práticas pedagógicas. Vale ressaltar que a presente pesquisa não se enquadra numa perspectiva sociolinguística, ou seja, um estudo de campo com o objetivo de vislumbrar as mudanças graduais da língua. Utilizam-se os termos variação e diversidade linguísticas enquanto sinônimos, concebendo-os enquanto realizações ou usos diferenciados da linguagem, conforme Costa (2012). O trabalho em questão objetivou recorrer ao celular enquanto suporte de motivação e valorização da linguagem, a partir de contextos significativos de prática social. Enquanto produto, delineou-se um caderno pedagógico que instigou o uso do celular como propulsor da narrativa oral a partir do registro imagético de cenas significativas para os estudantes. Os momentos de exposição oral serviram de evento de percepção das diversidades. Além disso, a leitura e a interpretação textual integraram o caderno. Tal encaminhamento buscou inibir concomitantemente o preconceito linguístico, promovendo a convergência da diversidade linguística no âmbito escolar. Esse estudo foi desenvolvido numa turma do oitavo ano do ensino fundamental, composta de trinta e cinco alunos, integrantes da rede estadual de ensino de Sergipe. Os discentes integraram o corpus estudantil do turno matutino de uma unidade escolar, localizada na zona urbana do município de Itabaiana. O aporte teórico amparou-se em Kleiman (2005) e Soares (2009) acerca dos eventos de letramento; Freitas (2010) sobre o letramento digital; Rojo (2012) em torno dos multiletramentos; a aprendizagem móvel, de Xavier (2018) e Barral (2012); a variação linguística, de Freitag (2013), Nogueira (2012), Bagno (2007), Bortoni-Ricardo (2004 e 2005) e Faraco (2004); diversidade e variação linguística, de Costa (2012); o recurso digital, de Araújo (2010); além de o ensino de língua portuguesa, de Messias (2012) e Suassuna (2009). Alcançou, por fim, o avivamento da diversidade linguística na sala de aula, por meio dos atos de relatar, de reconhecer e de contextualizar a mobilidade da língua.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2506161 - ELAINE CRISTINA SILVA SANTOS
Interno - 2865742 - MARCIA REGINA CURADO PEREIRA MARIANO
Externo ao Programa - 2252037 - EDIVALDO DA SILVA COSTA
Notícia cadastrada em: 06/03/2020 16:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10787-147c949b3