A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Aceito
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CLARA LEITE LISBOA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLARA LEITE LISBOA
DATA: 30/09/2021
HORA: 10:00
LOCAL: Sessão remota, via Google Meet
TÍTULO: A imagem em Jacques Rancière: o paradoxo da fotografia e política
PALAVRAS-CHAVES: Rancière; Política; Estética; Pensatividade; Fotografia.
PÁGINAS: 44
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Filosofia
RESUMO:

O objetivo dapresente pesquisa é analisar o porquê, dentro do regime estético da arte, a pensatividade faz afotografia ser política. Tal objetivo será construído dentro de um dos três regimes de arte,apresentado pelo filósofo, qual seja, o regime estético da arte. Para Jacques Rancière, aimagem, dentro do regime estético da arte, é pensativa e, por isso, ela é política. Para ele,política é desentendimento, sendo ela resultante do encontro entre a lógica da igualdade e alógica da polícia, dentro da partilha do sensível. A fotografia traz em sua natureza o caráterpolítico por ser pensativa e essa pensatividade é resultante do paradoxo apresentado pelarelação entre o enigma e a banalidade social presentes, ao mesmo tempo, na imagemfotográfica. Para alcançar tal análise, foram elaborados como objetivos específicos aapresentação, segundo Rancière, do conceito de política, a análise da relação repartilha dosensível e regime estético da arte, sob a ótica de Rancière e a investigação da relação
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPEPRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISAPROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA
fotografia e pensatividade. Pretende-se construir uma análise a partir dos textos base dofilósofo, a exemplo de O Mestre Ignorante (1987), A Partilha do Sensível (2000), ODesentendimento (1995), O Destino das Imagens (2003), entre outras considerando seremsuficientes para capturar os subsídios que fundamentem a proposta da pesquisa. Paraviabilizar a investigação proposta, será adotada a revisão bibliográfica como uma ferramentarica para dar suporte à construção textual partindo do pressuposto de que Jacques Rancière é ofilósofo que se propõe a resolver os paradoxos e que, conforme diz Daniela Blanco, “Trata-sede uma característica bastante comum do modo de pensamento e de escrita de Rancière, paraquem interessa mais, como afirma, ‘escolher uma singularidade e então tentar reconstruir ascondições que tornam essa singularidade possível explorando todas as teias de significadostecidas em torno dela’ (RANCIÈRE, 2016, p. 67, tradução nossa).” (BLANCO, 2020, p. 124-125). Dessa forma, a pesquisa fará uso das fontes primárias a partir dos textos de Rancière,bem como das fontes secundárias a partir dos textos de Daniela Blanco, Eduardo Pellejero,Pedro Ramos, entre outros comentadores. O tema é atual e de grande relevância, pois asociedade contemporânea produz diversas implicações que envolvem a relação entre política eestética e, portanto, fotografia.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426603 - ANTONIO CARLOS DOS SANTOS
Externo ao Programa - 2358798 - CECILIA MENDONCA DE SOUZA LEAO SANTOS
Presidente - 2493348 - VLADIMIR DE OLIVA MOTA

Notícia cadastrada em: 22/09/2021 15:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2021 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r16418-219d26904e