A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: CAMILA GABRIELLE OLIVEIRA DE FARIAS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA GABRIELLE OLIVEIRA DE FARIAS
DATA: 30/03/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Did VII, Sala 101
TÍTULO: A PAUTA DA SECA NA TV SERGIPE: UMA ANÁLISE DA COBERTURA JORNALÍSTICA À LUZ DO JORNALISMO DE SOLUÇÕES,
PALAVRAS-CHAVES: Telejornalismo local; Sergipe; seca; jornalismo de soluções
PÁGINAS: 193
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
RESUMO:

A região Nordeste é composta por 9 estados no Brasil, que juntos, compõem praticamentetodo o semiárido. Com características como chuvas irregulares, o local também pode serafetado com períodos de seca; um tipo de pauta recorrente na mídia televisiva. A partirde um levantamento bibliográfico sobre o assunto, esse trabalho investigou como otelejornalismo local, especificamente, na TV Sergipe, realizou a cobertura da seca entreos anos de 2017 a 2019, identificando se políticas públicas, técnicas de convivência coma seca ou ações para o combate ao desmatamento da caatinga no estado foram abordadas.O objetivo foi verificar se as soluções apresentadas pela TV Sergipe à questão da secaestavam dentro da perspectiva voltada ao jornalismo de soluções. O recorte temporal foiescolhido por ser posterior à grave seca que atingiu pontos da região. O estado de Sergipefoi escolhido para essa análise porque mais de 50% de seu território integra o semiárido,além da identificação cultural por parte da autora da pesquisa. Como método, a análisede conteúdo foi utilizada, por meio da criação de categorias que investigaram a coberturada seca a partir de diversos agentes como as fontes e agentes de resposta, assim como assoluções propostas. Como resultado, foi possível visualizar uma cobertura que citasoluções e respostas emergenciais, sem apontar os detalhes da implementação, asevidências, assim como as limitações da resposta. Visualizamos também uma coberturasem criticidade de forma predominante em relação ao fenômeno da seca, por meio de umageneralização do local, assim como culpabilização do clima, o que nos levou a refletircomo essa cobertura poderia ser feita a partir do jornalismo de soluções e com um aspectopreventivo de abordagem.

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1045250 - CARLOS EDUARDO FRANCISCATO
Externo à Instituição - ELOISA BELING LOOSE
Presidente - 2997152 - VITOR CURVELO FONTES BELEM

Notícia cadastrada em: 17/03/2022 11:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r17718-4d8e4e57be