A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: AGAIR JULIETE CAVALCANTE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AGAIR JULIETE CAVALCANTE CARVALHO
DATA: 07/03/2022
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/yox-mfgi-bbe
TÍTULO: FORMAÇÃO EMPREENDEDORA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS IMPLEMENTADAS NO ESTADO DE SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: Educação Básica. Empreendedorismo. Formação Empreendedora.
PÁGINAS: 178
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Administração
SUBÁREA: Administração de Empresas
ESPECIALIDADE: Administração de Recursos Humanos
RESUMO:

Este estudo se propôs a realizar uma análise das práticas implementadas para a formaçãoempreendedora na Educação Básica, no estado de Sergipe. Para tanto foram traçados quatroobjetivos específicos: (1) compreender a percepção dos profissionais que atuam com aformação empreendedora na Educação Básica (2) descrever e analisar as ações que asinstituições de Educação Básica, públicas e/ou privadas, estão realizando em prol daimplementação da formação empreendedora; (3) analisar os fatores necessários para aimplementação da formação empreendedora na Educação Básica; (4) compreender a atuaçãode instituições e atores que fomentam a formação empreendedora na Educação Básica naregião estudada. A pesquisa fundamentou-se em três bases teóricas. Em primeiro lugar, foramapresentados o entendimento do fenômeno empreendedorismo e posteriormente adotou-seuma concepção de formação empreendedora embasada no desenvolvimento de um serhumano reflexivo, ético e crítico, que conduz a sua própria vida, pessoal e profissional, sejaatuando como funcionário ou empresário. Em segundo lugar, foram identificadas bases legaisque norteiam a educação empreendedora nas instituições de ensino – relatórios da UNESCO,LDB, BNCC, DCNEB. Para finalizar esta etapa, foram identificados fatores consideradosfundamentais para a implementação da formação empreendedora na Educação Básica –recursos tangíveis e intangíveis, formação dos profissionais de educação e formação de redesde colaboração. Esta pesquisa adota uma abordagem qualitativa e interpretativista. Aentrevista semiestruturada foi o instrumento de coleta de dados utilizado e contou-se tambémcom análise documental e de informações disponibilizadas em sites oficias, as quaisdemonstravam a implementação de tal abordagem na localidade estudada. Para captação dosparticipantes, após algumas limitações encontradas no campo, optou-se pela técnica snowballsampling. Dessa forma, foram indicados 13 representantes de instituições da EducaçãoBásica, públicas ou privadas, que atuam com a abordagem empreendedora. A interpretação eanálise dos dados foram separados em clusters, o primeiro categorizou a rede pública estadualde Sergipe e o segundo categorizou a rede privada de ensino desta região. Em ambos, ascategorizações compreendiam a análise das percepções dos profissionais quanto a formaçãoempreendedora na Educação Básica, as ações desenvolvidas nas escolas que os entrevistadosatuam, os fatores necessários para implementação e desenvolvimento de tal abordagem e aatuação de instituições e atores que a fomentam. Os principais resultados evidenciam queforam dados os primeiros passos para implementação de práticas visando a formaçãoempreendedora na Educação Básica do estado de Sergipe, mas não se pode dizer que houveuma implementação em sua totalidade. Os dois clusters se desenvolvem de formadiferenciada. A pandemia da Covid-19 foi representada como uma variável que impactoudiretamente a área da educação como um todo, dificultando práticas empreendedoras, masnão as inviabilizando. Escolas dentro da própria rede pública evidenciam significativaheterogeneidade, por falta, principalmente, de monitoramento e controle da direção escolar egestor público. Na rede privada as práticas implementadas estão embasadas em um conceitomais homogêneo da formação empreendedora, evidenciando o início do desenvolvimento dacultura empreendedora na instituição, porém são necessários esforços que permitamintegração entre escola e comunidade, de fundamental importância para abordagem estudada.Por fim, foi elaborada uma cartilha e disponibilizada para gestores e professores da redepública e privada de Sergipe, com conceito e orientações práticas para o fomento da formaçãoempreendedora.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1654859 - MANUELA RAMOS DA SILVA
Interno - 1662887 - MARIA ELENA LEON OLAVE
Externo à Instituição - CLAUDIANI WAIANDT

Notícia cadastrada em: 21/02/2022 14:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - dragao3.dragao3 v3.5.16 -r17715-9ce6d7c69e