A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: JULIANE BARBOSA TAVARES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANE BARBOSA TAVARES
DATA: 31/08/2022
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de aulas do PROSS
TÍTULO: Silenciamento e invisibilidade: os determinantes na construção do termo violência obstétrica no Brasil e a relação com o Serviço Social
PALAVRAS-CHAVES: Violência obstétrica, Gênero, Patriarcado, Direitos Humanos.
PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Serviço Social
RESUMO:

A violência obstétrica é efeito e parte constitutiva da violência de gênero, é uma forma de violação aos direitos humanos que atinge diretamente a luta pelos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. A violência obstétrica se apresenta no bojo da sociedade patriarcal e capitalista que domina, explora e oprime as mulheres. Recentemente o Ministério da Saúde provocado pelo Conselho Federal de Medicina publicou um despacho que orientou a exclusão do termo “violência obstétrica” dos documentos oficiais da saúde alegando que o termo é inapropriado e que os profissionais de saúde não têm a intencionalidade de violentar gestantes e puérperas no momento do pré parto, parto e puerpério. O objeto de estudo desta pesquisa confere a apreensão do termo “violência obstétrica” no contexto das lutas feministas no Brasil e a compreensão das mediações do termo e seu conceito para o Serviço Social e os direitos humanos. O objetivo geral da pesquisa versa sobre analisar a incorporação do termo “violência obstétrica” nas lutas pelos direitos das mulheres e os elementos argumentativos que aboliu seu uso em medidas recentemente tomadas pelo Ministério da Saúde (MS). Para alcançar o objetivo geral elencamos os seguintes objetivos específicos: apresentar o conceito, historicidade e caracterização na construção da violência e do termo “violência obstétrica”; compreender dentro das políticas públicas a discussão sobre a violência obstétrica e a relação com o Serviço Social; e identificar os sujeitos políticos envolvidos e as narrativas que compõem o contexto da inclusão e exclusão do termo numa perspectiva dos direitos humanos e para o Serviço Social. A pesquisa foi de tipo bibliográfica e documental seguindo o método materialista histórico dialético. Nos procedimentos metodológicos utilizamos para análise os documentos emitidos pelo Ministério da Saúde e pelo Conselho Federal de Medicina, além de legislações que versem sobre a temática e demais documentos oficiais emitidos por órgãos, instituições, entidades representativas da sociedade civil, públicas e/ou privadas (memorandos, ofícios, despachos, portarias, circulares, resoluções, etc). Pretendemos a partir das análises identificar como a “violência obstétrica” contribui para ferir a autonomia das mulheres e negar e agredir os direitos humanos. Para o Serviço Social as violações de direitos e a defesa dos Direitos Humanos compõem uma pauta diária da nossa profissão, de forma a compreender os mecanismos pelos quais a estrutura social se produz e reproduz gerando essas violações, como ainda desmistificar o senso comum para alcançar os objetivos e princípios previstos em nosso Projeto Ético Profissional amparado numa ação interventiva e investigativa.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1702454 - VERA NUBIA SANTOS
Interno - 3307484 - NELMIRES FERREIRA DA SILVA
Externo ao Programa - 426655 - ROSANGELA MARQUES DOS SANTOS
Externo à Instituição - ALBANY MENDONCA SILVA

Notícia cadastrada em: 26/08/2022 23:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5