A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: MAYESK ALVES ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAYESK ALVES ROCHA
DATA: 10/02/2022
HORA: 10:30
LOCAL: meet.google.com/hbn-vyyi-bqt
TÍTULO: AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE GERAÇÃO DE BIOGÁS A PARTIR DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE UM RESTAURANTE POPULAR
PALAVRAS-CHAVES: Biodigestor; inóculo; resíduos orgânicos
PÁGINAS: 73
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Operações Industriais e Equipamentos para Engenharia Química
RESUMO:

A urgência de inovação no âmbito energético, aliada à preocupação ambiental e à alta geração de resíduos no cenário mundial, impulsiona cada vez mais o uso de técnicas de digestão anaeróbia como tecnologia próspera para tratamento de tais passivos ambientais e produção de biogás. Desta forma, a utilização de um biodigestor para produção de biogás é uma das possíveis maneiras de aproveitar o potencial energético renovável disponível no meio ambiente. Diante disso, a pesquisa teve o objetivo de avaliar o potencial de produção de biogás na operação de biodigestor de bancada em batelada, a partir dos resíduos oriundos de restaurante popular localizado no bairro de Rosa Elze, na cidade de São Cristóvão, utilizando como inóculo esterco de caprinos, em concentração adversa (0, 1, 2 e 3%). Os biodigestores utilizados no estudo foram desenvolvidos a partir a reutilização de garrafas de polietileno tereftalato (PET) e operados por 21 dias à temperatura de 25 °C. Foi possível verificar a evolução da geração diária de biogás por meio da decomposição anaeróbia de matéria orgânica e, também, acompanhar a temperatura e o pH das amostras, além de realizar as análises de nitrogênio, fósforo, Demanda Química de Oxigênio (DQO) e sólidos totais, voláteis e fixos. De acordo com os resultados encontrados nesta pesquisa, a melhor condição para a produção do biogás se deu na concentração de 3% de inóculo, com pH de 7,12, ou seja, com ajuste de pH, obtendo-se uma produção de 18 mL de biogás. Em relação aos sólidos voláteis e fixos, atingiu-se concentrações de 25,9% e 1,3%, respectivamente. Quanto às análises de DQO, nitrogênio e fósforo, obteve-se uma redução de 44%, 72,2% e 84%, nesta ordem. No potencial de geração de energia, o presente trabalho obteve uma geração de 321 kWh/ mês e, utilizando os cálculos tarifários apresentados no portal da empresa de energia atuante no Estado de Sergipe, a ENERGISA, foi possível adquirir como valor cobrado para o grupo que o restaurante está incluído, um valor de R$ 0,49 por kWh consumido na tarifa verde, indicando um ganho de R$ 157,97/mês com o biogás produzido pelos resíduos alimentares do restaurante popular. Os resultados evidenciam o uso promissor dos resíduos orgânicos do restaurante como fonte para formação de biogás e geração de energia. Indicaram, também, a digestão anaeróbia como processo sustentável e o biodigestor de bancada uma ótima opção para produção do gás, sendo eficiente e de baixo custo.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2573323 - ANA KARLA DE SOUZA ABUD
Presidente - 2468009 - ANTONIO MARTINS DE OLIVEIRA JUNIOR
Externo ao Programa - 071.629.964-00 - CARLOS EDUARDO DE FARIAS SILVA
Interno - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA

Notícia cadastrada em: 10/02/2022 07:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema1.ema1 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5