A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MILENA CAMANDAROBA ALVES

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MILENA CAMANDAROBA ALVES
DATA: 07/12/2021
HORA: 16:00
LOCAL: Plataforma google Meet
TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE PELLET ECOSUSTENTÁVEL A PARTIR DA CASCA DE COCO VERDE
PALAVRAS-CHAVES: Pellet;fibra de coco; Aproveitamento de resíduos; Bioprocessos
PÁGINAS: 15
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Tecnologia Química
RESUMO:

A obtenção de produtos e substâncias a partir da biomassa tem encontrado espaço e vem sendo desenvolvida, ainda que muito mais por questões econômicas do que ambientais. Levando em consideração o crescente consumo de água de coco e o descarte de seus resíduos, especialmente ao longo do litoral brasileiro, este trabalho tem como objetivo principal desenvolver e caracterizar um pellet ecossustentável a partir da fibra do coco verde, a partir do descarte diário de um estabelecimento que comercializa água de coco, localizado no município de São Cristóvão, no bairro Rosa Elze, e próximo à Universidade Federal de Sergipe (UFS), utilizando como aglutinante o de amido de milho. Foram produzidos e comparado ao pellet de 100% pinus (madeira). Para a produção dos pellets, foi necessário o desfibramento e corte das fibras de coco verde, sanitizando-as antes de sua secagem no desidratador pardal a 60ºC. Verificou-se também a importância da trituração e moagem das fibras, para assim realizar a granulometria. As fibras foram submetidas a contato com amido de milho depois foram inseridas na pelletizadora, secas por meio da estufa a 105º por 24hrs. Com relação aos parâmetros de qualidade, físicos, químicos e térmicos, todos os pellets atingiram os valores estipulados pelas normas de padrões internacionais. Com isso foi possível verificar a sua umidade, teor de cinzas, teor voláteis, o seu carbono fixo e a relação da granulometria com a qualidade dos pellets. A umidade alcançada pelo pellet foi de 13%, atingindo assim atingiram o valor determinado pela Embrapa. Em relação ao teor volátil, o pellet de fibra de coco, apresentou valor de 98,04%, relacionando com ponto de ignição da matéria é melhor que o da madeira. O teor de cinzas apresentado foi de 0,49%, porém o teor de carbono fixo foi inferior aos demais, alcançando apenas 2,51%, apresentando menor poderes caloríficos que os demais. Assim, pode-se concluir que os pellets possuem grande potencial energético e podem ser fontes sustentável para o descarte dos resíduos de coco verde produzindo um combustível limpo, seja com baixa emissão de poluentes ou de impactos ambientais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2468009 - ANTONIO MARTINS DE OLIVEIRA JUNIOR
Interno - 2178474 - ROBERTO RODRIGUES DE SOUZA
Interno - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Externo ao Programa - 2021506 - CAROLINA NUNES COSTA BOMFIM

Notícia cadastrada em: 06/12/2021 11:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema2.ema2 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e