A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ANY CAROLINE LACERDA DE REZENDE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANY CAROLINE LACERDA DE REZENDE
DATA: 20/08/2020
HORA: 14:00
LOCAL: on-line
TÍTULO: OBTENÇÃO DE TENSOATIVOS A PARTIR DE ÓLEOS VEGETAIS PARA USO NA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO PESADO
PALAVRAS-CHAVES: petróleo, emulsão, tensoativo, viscosidade.
PÁGINAS: 60
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Tecnologia Química
ESPECIALIDADE: Produtos Naturais
RESUMO:

Na produção de petróleo, em especial em campos maduros, têm-se a formação de emulsão A/O que aumenta a viscosidade aparente do petróleo e dificulta o seu escoamento. Este estudo teve por objetivo obter tensoativos a partir dos óleos vegetais de semente de soja (Glycine max), de coco babaçu (Orbignya oleífera), de coco buriti (Mauritia flexuosa) e avaliar, em bancada de laboratório, a redução da viscosidade aparente com a taxa de cisalhamento em petróleo emulsionado (A/O), na presença de sais, nas temperaturas ambiente (25°C) e estimada de poço (60°C). Para tal, caracterização dos óleos dos vegetais em estudo foi realizada por meio da determinação dos índices de acidez e de saponificação. A obtenção dos tensoativos se deu por reação de transesterificação de ácidos graxos presentes, no óleo da semente de soja (índice de acidez 0,022 mgKOH/g) e do coco babaçu (índice de acidez 0,039 mg KOH/g) que apresentou rendimento de 87 e 88,50%, respectivamente. O óleo do coco buriti, por possuir alto índice de acidez (1,44 mgKOH/g) foi submetido de forma direta ao processo de saponificação, o que dificultou a determinação do rendimento da reação. A quantidade de água de formação presente na amostra de petróleo emulsionado (ºAPI 19,36) quantificada por titulação Karl Fischer, constatou a presença de 5,39% m/m. A concentração micelar crítica (CMC) dos tensoativos obtidos, calculada a partir de medidas de condutividade elétrica, utilizando o condutivímetro Marconi, modelo CA 150, foi de 1877,31 mg/L para o derivado do óleo de semente de soja, de 2971,42 mg/L para o de óleo do coco babaçu e, de 1898,42 mg/L para o de óleo do coco buriti. A avaliação do desempenho dos tensoativos obtidos, na concentração de 500 ppm, 750 ppm e 1000 ppm, no comportamento da viscosidade aparente do petróleo emulsionado com de água salina (A/O), preparadas seguindo a norma ASTM D 1141/90, na proporção 20/80% m/m, por meio do reômetro Brookfield, modelo DV-III ULTRA, mostrou que a viscosidade aparente à 25°C, na presença de 750 ppm e 1000 ppm dos tensoativos apresentaram reduções da viscosidade aparente, acima de 20% em relação à amostra sem tensoativo e que à 60°C não apresentou reduções significativas, visto que a viscosidade do óleo é reduzida com o aumento da temperatura. Mesmo assim, nesse cenário, uma ação de redução em torno de 4,6%, foi observado quando adicionado 1000 ppm do tensoativo de buriti.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426443 - GISELIA CARDOSO
Interno - 2400083 - RODOLPHO RODRIGUES FONSECA
Externo ao Programa - 3274466 - HELENICE LEITE GARCIA

Notícia cadastrada em: 06/08/2020 16:33
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r18154-6e174eae4e