A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: THEREZA HELENA AZEVEDO SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: THEREZA HELENA AZEVEDO SILVA
DATA: 10/09/2018
HORA: 09:30
LOCAL: Mini-auditório do CCET
TÍTULO: PIRÓLISE TERMOCATALÍTICA DE CLORETO DE POLIVINILA PÓS-CONSUMO UTILIZANDO CATALISADORES MICRO/MESOPOROSOS TIPO ZSM-35/MCM-41
PALAVRAS-CHAVES: micro/mesoporos, ZSM-35, MCM-41, pirólise termocatalítica, PVC
PÁGINAS: 10
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Tecnologia Química
RESUMO:

Catalisadores tipo ZSM-35, MCM-41 e ZSM-35/MCM-41 com diferentes proporções de 25%/75%, 50%/50% e 75%/25% de materiais micro/mesoporos foram obtidos comercialmente, pelo método hidrotérmico e via mecanosíntese, respectivamente, com o objetivo de serem aplicados na pirólise térmica e catalítica de cloreto de polivinila (PVC) pós-consumo. Os catalisadores obtidos foram caracterizados por difração de raios X (DRX), adsorção de N2 à 77K e análise térmica (TG/DTG). Das análises de DRX podem ser observados os picos característicos da literatura relativos à estrutura da zeólita ZSM-35, do MCM-41 e de ambos os materiais micro/meso nos compósitos preparados. Pode-se perceber também que à medida que a quantidade de MCM-41 nos materiais ZSM-35/MCM-41 diminui, seus picos tendem a ser atenuados devido ao aumento progressivo da proporção de ZSM-35. Através das analises de adsorção de N2 à 77K foi possível determinar as propriedades texturais dos catalisadores, tais como áreas superficiais especificas, volume e distribuição de poros. Os testes de pirólise térmica e catalítica do PVC mostram tipicamente dois grandes eventos complexos de decomposição. O primeiro evento acontece na faixa de 200-400 ° C e este evento está associado à perda de HCl e desidrohalogenação. O segundo evento ocorre na faixa de 400-600 ° C e é relativo à decomposição da estrutura principal da cadeia carbônica do polímero. Os dados experimentais obtidos mostraram que os catalisadores estudados reduziram as temperaturas médias de decomposição do PVC. Para os ensaios catalíticos utilizando os catalisadores ZSM-35, MCM-41 e 75%/25% observa-se que a temperatura para a conversão de 90% do PVC aumenta com o aumento da taxa de aquecimento. Por outro lado, para os testes catalíticos usando o catalisador 25%/75%, observa-se um comportamento inverso. O catalisador 75%/25% apresentou as maiores taxas de conversão, e, em geral, maior diminuição na temperatura total de decomposição do PVC. No entanto, o catalisador 25%/75% mesmo com conversões um pouco menores que o catalisador 75%/25%, em geral, também apresentou um desempenho satisfatório para a diminuição da temperatura total de decomposição do PVC. O desempenho destes dois catalisadores deve-se à combinação da maior área superficial do MCM-41 e da zeólita ZSM-35 no material compósito, mostrando assim que esses materiais são potencialmente promissores em processos de reciclagem térmica e catalítica de materiais poliméricos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1515782 - MARCELO JOSE BARROS DE SOUZA
Interno - 2222671 - PEDRO LEITE DE SANTANA
Externo ao Programa - 1307447 - PAULO HENRIQUE LEITE QUINTELA

Notícia cadastrada em: 27/08/2018 10:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - ema3.ema3 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5