A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: LIVIA CAROLINE TAVARES DE ANDRADE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LIVIA CAROLINE TAVARES DE ANDRADE
DATA: 12/01/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Miniauditório do CCET
TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DO BIODIESEL UTILIZANDO UM COMPOSTO ADITIVO DA MORINGA oleifera LAM
PALAVRAS-CHAVES: Biodiesel, Estabilidade oxidativa, Antioxidante, Moringa oleífera Lam
PÁGINAS: 51
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
SUBÁREA: Tecnologia Química
ESPECIALIDADE: Petróleo e Petroquímica
RESUMO:

Os processos oxidativos no biodiesel ocorrem devido à temperaturas elevadas e a presença de ácidos graxos insaturados. O presente trabalho apresenta parâmetros indicativos da influência antioxidante do biodiesel obtido a partir da Moringa oleifera Lam em diferentes percentuais em biodiesel de soja, uma vez que é a partir deste, que são produzidos 81 % do biodiesel no Brasil. As amostras foram caracterizadas mediante o estudo oxidativo, através do método Rancimat, e do estudo térmico através da Termogravimetria (TG) e da Calorimetria Exploratória Diferencial (DSC). O biodiesel de moringa (antioxidante) foi sintetizado a partir do processo de transesterificação na proporção de 1:161 (óleo/álcool) e hidróxido de sódio 6 % (m/m). As amostras de biodiesel de soja foram aditivadas com o antioxidante nas concentrações de 100, 500, 1000, 2000, 3000, 4000 e 5000 ppm e armazenadas em frascos âmbar a uma temperatura de 27 ± 3 °C. Todas as amostras foram analisadas no tempo zero e após 15, 30, 60 e 90 dias de armazenamento. Os resultados obtidos, a partir do Rancimat, mostraram que o tempo de estabilidade oxidativa ultrapassou o limite estabelecido pela ANP (mínimo de 6 horas) a partir da concentração de 500 ppm e revelaram que quanto maior a concentração de antioxidante utilizada, maior é a estabilidade oxidativa. As amostras com maior quantidade de antioxidante permanecem com estabilidade oxidativa a níveis permitidos pela legislação, sendo estas as de 3000, 4000 e 5000 ppm, as quais após o período de 90 dias obtiveram tempo de estabilidade iguais a 6,09, 6,51 e 6,59 horas, respectivamente. As análises térmicas foram realizadas para o biodiesel de soja e para o antioxidante com taxas de aquecimento de 10 °C∙min-¹, em atmosfera de nitrogênio, com um fluxo de 100 ml∙min-¹, em um cadinho de alumínio. As temperaturas de decomposição térmica foram apresentadas a partir do perfil termogravimétrico, mostrando que o antioxidante possui estabilidade térmica superior ao biodiesel de soja. As curvas DSC apresentaram algumas etapas, indicando mudanças físico-químicas referentes aos compostos intermediários de oxidação. A partir dos resultados obtidos, observou-se a eficiência do biodiesel de Moringa oleifera LAM como antioxidante natural, aumentando a estabilidade oxidativa de biodieseis com baixa estabilidade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA
Interno - 1542165 - JOSE JAILTON MARQUES
Externo ao Programa - 2022042 - DANIEL PEREIRA DA SILVA

Notícia cadastrada em: 09/01/2015 14:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r18160-36a7f68df5