A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente
Notícias

Banca de DEFESA: ANGELA DOS SANTOS SILVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANGELA DOS SANTOS SILVEIRA
DATA: 31/05/2022
HORA: 09:00
LOCAL: remoto (Google Meet)
TÍTULO: Matemática e Cotidiano: saberes escolares e suas relações com os vivenciados na pesca artesanal em comunidades de pescadores e marisqueiras em São Cristóvão, SE
PALAVRAS-CHAVES: contextualização; etnomatemática, comunidades tradicionais; ensino de matemática.
PÁGINAS: 169
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
SUBÁREA: Ensino-Aprendizagem
ESPECIALIDADE: Métodos e Técnicas de Ensino
RESUMO:

Os saberes matemáticos consistem em uma construção humana na busca por atender às suas necessidades de sobrevivência. Pensar sobre os modos como estes conhecimentos foram construídos e transmitidos/ensinados é uma maneira de tentar romper com o paradigma de que o conhecimento matemático é algo “pronto”, “acabado” e apresentar a Matemática como uma ciência viva, como de fato ela é. A presente pesquisa tem como objetivo analisar possibilidades e limitações para a inserção da Etnomatemática na contextualização do processo de ensino e aprendizagem de Matemática nos anos iniciais do ensino fundamental em escolas de comunidades de pescadores artesanais no município de São Cristóvão, SE. O estudo foi baseado em uma abordagem qualitativa e quantitativa com um olhar etnográfico e um aporte teórico baseado na Etnomatemática, visto que buscou analisar os saberes matemáticos construídos/utilizados por pescadores e marisqueiras na arte da pesca. Para tanto, foram realizadas três ações de pesquisa interligadas: 1) uma revisão do tipo estado da arte com o objetivo de identificar, nas produções acadêmicas baseadas na Etnomatemática, práticas pedagógicas, estratégias e recursos utilizados no ensino de Matemática em comunidades tradicionais; 2) uma investigação com 15 professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental em quatro escolas de comunidades de pescadores no município de São Cristóvão, SE: Colônia Miranda, Rita Cacete, Coqueiro e Pedreiras; e 3) entrevistas com oito pescadores/marisqueiras residentes nessas comunidades. Este projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa da UFS, tendo seus participantes assinado termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). A análise dos dados foi realizada por meio da Análise Textual Discursiva (ATD). Dentre os resultados obtidos, observou uma diversidade de produções abordando a temática com destaque para os saberes matemáticos presentes na cultura indígena, africana, quilombola. Tais saberes são referentes às práticas sociais, a exemplo, da agricultura, confecção de artesanatos, confecção de mochilas, construção de casas, produção, comercialização de tortilha e construção de casas. No entanto, poucas produções relacionadas especificamente à pesca artesanal foram encontradas. Os principais saberes matemáticos identificados na arte da pesca, construídos/utilizados por pescadores e marisqueiras foram os relacionados às operações aritméticas (adição, subtração, multiplicação e divisão), noções básicas de matemática financeira, aplicados principalmente na comercialização e atribuição dos valores do pescado/marisco capturado, como também noções de conceitos de medidas (tempo, comprimento, massa). A apropiação desses saberes possibilita que estes profissionais realizem suas tarefas cotidianas e transitem com certa facilidade na atividade pesqueira. Observou-se ainda poucas estratégias de ensino, que proporcionam a aproximção dos saberes matemáticos escolares com os vivenciados no cotidiano das comunidades de pescadores/marisqueiras. Nesse sentido, os professores reconhecem a existência de saberes matemáticos presentes nessas comunidades e que poderiam ser abordados em sala de aula, mas não estão. Conclui-se que é preciso (re) pensar as metodologias, estratégias e recursos de ensino utilizadas nas aulas de Matemática nas escolas localizadas nessas comunidades para que a contextualização desses saberes ocorra, como também é urgente a necessidade de formação especifica para este componente curricular direcionada para os professores pedagogos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 843.959.827-00 - MYRNA FRIEDERICHS LANDIM DE SOUZA
Interno - 353.642.460-00 - CARMEN REGINA PARISOTTO GUIMARAES
Externo à Instituição - JULIANO SILVA LIMA

Notícia cadastrada em: 06/05/2022 09:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2022 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r17715-9ce6d7c69e