Notícias

Banca de DEFESA: VIVIANE FONTES SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIVIANE FONTES SILVA
DATA: 11/09/2012
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 01 da posgrap - centro de Vivência
TÍTULO:

:"Complexo de Inclusão Óleo Essencial de Cintrus sinensis (L.) Osbeck e b-CICLODEXTRINAS: OBTENÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE LARVICIDA CONTRA LARVAS DO Aedes aegypti".


PALAVRAS-CHAVES:

Aedes aegypti, complexo de inclusão, Citrus sinensis, ciclodextrinas, d-limonemo.


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo, principalmente devido ao grande potencial para o desenvolvimento de formas graves e letais da doença. É causada por um vírus da família Flaviridae e é transmitida no Brasil através do mosquito Aedes aegypti.  O controle químico, por organofosforados, é um dos instrumentos mais utilizados no combate deste mosquito. Entretanto, a resistência e a toxicidade destes produtos mostram-se como um dos principais problemas. Neste sentido o uso de óleos essenciais tem sido estudado para o controle químico do Aedes aegypti, visto que estes óleos apresentam pronunciada atividade larvicida, são economicamente viáveis, biodegradáveis e demonstram não ter nenhum efeito tóxico na população não-alvo. Neste contexto, o óleo essencial de Citrus sinensis (L.) Osbeck (OECS), cujo principal constituinte químico é o d-limoneno, tem sido bastante estudado devido a sua pronunciada atividade larvicida contra as larvas do Aedes aegypti. No entanto seu uso direto apresenta algumas limitações, sendo a baixa solubilidade em meio aquoso uma das principais. Para contornar os problemas relacionados a esta baixa solubilidade, tem sido sugerido o uso de ciclodextrina como alternativa para minimizar estas limitações. Nesta perspectiva, o objetivo deste estudo foi obter e caracterizar complexos de inclusão β-ciclodextrina (β-CD) e óleo essencial de Citrus sinensis (OECS), visando melhorar a solubilidade e a atividade biológica do óleo em meio aquoso. O óleo essencial foi obtido a partir das cascas secas de Citrus sinensis, por hidrodestilação. A densidade do OECS foi determinada por picnometria e seus constituintes químicos foram identificados através da cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas (CG-EM). Os complexos de inclusão foram obtidos por malaxagem (MA) e co-preciptação (CP) na razão estequiométrica (1:1 β-CD:OECS). Para os complexos obtidos por malaxagem (MA) foi avaliada a influência do uso de um co-solvente, sendo obtidos complexos por malaxagem com água (MAH) e malaxagem com água e etanol (MAET). Uma vez obtido os complexos, a determinação do teor do OECS complexado foi obtido por cromatografia gasosa acoplada a um detector de ionização de chama (FID) em sistemas de headspace. Os complexos foram caracterizados por termogravimetria (TG), determinação do teor de umidade por Karl-Fisher, calorimetria exploratória diferencial (DSC), difratometria de raios-X (DRX), espectroscopia de absorção na região do infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), microscopia eletrônica de varredura (MEV) e ensaio de solubilidade. Os ensaios larvicidas contra as larvas de Aedes aegypti foram realizados com as larvas da linhagem Rockefeller no terceiro estádio (L3), sendo verificado a mortalidade após 24h. De acordo com os resultados obtido por CG/EM o principal constituinte do OECS, foi o d-limoneno (96,30%). As eficiências de complexação foram superiores a 50% para ambos os métodos. As curvas TG dos complexos revelaram deslocamento do intervalo de degradação térmica para faixas de temperaturas mais elevadas, indicando um ganho de estabilidade térmica para o óleo, provavelmente resultado da interação com a β-CD. A determinação de umidade pelo método de Karl-Fischer foi utilizada para corroborar estes resultados. As curvas DSC também sugerem formação de complexo. As bandas de absorção no FTIR, apresentaram desparecimento e deslocamentos de alguns picos característicos do OECS em 2920 cm-1, 1644 cm-1, 887 cm-1 e 798 cm-1, evidenciando assim uma possível interação entre o OECS e a β-CD. As análises dos difratogramas dos complexos demonstraram redução do grau de cristalinidade quando comparado à espécie pura (β-CD). No MEV pode-se observar de forma bastante clara mudanças nas formas de partículas e na morfologia do complexo, quando comparado com a β-CD.  Em relação ao ensaio de solubilidade, o complexo que apresentou uma maior solubilidade foi a MAET com 0,073 mg/mL-1. A atividade do OECS apresentou CL50 de 21,5 ppm ± (21,3 - 21,7) , o d-limoneno CL50 de 26,8 ppm (26,5 - 27,3) e o complexo (MAET) CL50 23,0 ppm (22,6 - 23,3).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2337777 - ROGERIA DE SOUZA NUNES
Interno - 1337195 - SOCRATES CABRAL DE HOLANDA CAVALCANTI
Externo ao Programa - 1658460 - VICTOR HUGO VITORINO SARMENTO
Notícia cadastrada em: 28/08/2012 09:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10803-399c5c35c