Notícias

Banca de DEFESA: MARIA JOSELI MELO DE JESUS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA JOSELI MELO DE JESUS
DATA: 18/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Laboratório de Informática do DFA
TÍTULO: Efeito de meias compressivas contendo flavonoide nanoencapsulado no tratamento da insuficiência venosa crônica
PALAVRAS-CHAVES: Insuficiência venosa; hesperetina; nanotecnologia; úlcera varicosa; qualidade de vida
PÁGINAS: 63
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A insuficiência venosa crônica (IVC) é a fase mais grave da doença venosa crônica e é caracterizada pelo mau funcionamento do sistema venoso, pela presença de edemas, pigmentações de pele e úlceras venosas. É altamente prevalente no mundo e onera significativamente os sistemas de saúde. Diante disto, o principal objetivo deste estudo consistiu em avaliar clinicamente o efeito de meias compressivas, que são utilizadas como tratamento padrão para a IVC, nanoencápsuladas com flavanóide, frente aos diferentes estágios da IVC. Para isto nanocápsulas com hesperetina foram preparadas pelo método de deposição interfacial de polímero pré-formado e posteriormente impregnadas em meias de compressão. O ensaio clínico fase II, controlado, randomizado e duplo-cego, foi desenvolvido durante seis meses, no Ambulatório de Cirurgia Vascular do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe (HU/UFS) e contou com a participação de 20 pacientes, com diferentes classificações da IVC. Para avaliação da eficácia da metodologia proposta, os pacientes foram avaliados quanto aos efeitos macroscópicos, através da retração das úlceras venosas, bem como através dos parâmetros da pele, como melanina, eritema e hidratação. Além da percepção de dor e qualidade de vida, pelo questionário aberdeen. Os resultados obtidos sugerem que as meias compressivas nanoencapsuladas, auxiliam na cicatrização de úlceras venosas, porém é necessário um tempo maior de acompanhamento dos pacientes para desfecho total da cicatrização das lesões. Além disso, houve diminuição do índice relativo de melanina nos pacientes do grupo teste, ao longo dos seis meses de acompanhamento, estes achados, juntamente com as análises macroscópicas , obtidas pelo software Image J®, que detectou clareamento das imagens obtidas dos membros inferiores dos pacientes, evidenciam a eficácia do tratamento em despigmentar áreas afetas pelo acúmulo de melanina. Este é um dado importante, pois a presença desse sinal causa dano estético, e diminui a autoestima dos pacientes. Ademais, verificou-se a diminuição na percepção de dor dos pacientes do grupo teste, além de aumento na qualidade de vida dos mesmos. Estas características são de extrema importância, juntamente com o efeito despigmentante, no desenvolvimento de produtos para tratar doenças crônicas, pois devolver aos indivíduos acometidos qualidade de vida, é uma das principais preocupações na prática clínicas. Sendo assim, foi possível concluir que o este estudo gera novas perspectivas de tratamentos para IVC, que possam trazer maior qualidade de vida as pessoas que sofrem com essa doença, além de contribuir para o desenvolvimento de novos estudos, principalmente com pacientes que tenham pigmentação nos membros inferiores, decorrentes daa IVC e úlceras venosas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Interno - 2030649 - MAIRIM RUSSO SERAFINI
Externo ao Programa - 3139310 - PAULA DOS PASSOS MENEZES
Notícia cadastrada em: 14/02/2020 11:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10787-147c949b3