Notícias

Banca de DEFESA: TATIANA DAMASCENO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TATIANA DAMASCENO DA SILVA
DATA: 27/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Informática do DFA
TÍTULO: Escalas de avaliação da dor crônica em pacientes hospitalizados: uma revisão sistemática
PALAVRAS-CHAVES: dor crônica; medição da dor; hospitais.
PÁGINAS: 69
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A dor é uma experiência angustiante associada a uma lesão tecidual real ou potencial com componentes sensoriais, emocionais, cognitivos e sociais, conforme definido pela Associação Internacional para o Estudo da Dor. No entanto, quando esta se torna crônica, pode gerar mais desconforto ao paciente. É considerada um problema de saúde pública em função da alta prevalência, do alto custo e do impacto negativo que pode causar na qualidade de vida dos pacientes e de seus familiares. Considerando a subjetividade e a complexidade do fenômeno doloroso, sua avaliação e controle podem constituir um grande desafio para os pesquisadores e profissionais de saúde. Diante dessa problemática, uma revisão sistemática foi realizada sobre escalas de avaliação da dor crônica em ambiente hospitalar. A busca de dados foi realizada nas principais bases de busca de artigos a partir dos descritores definidos “Hospitals”, “Pain Measurement”, “Chronic Pain”, “Pain Clinics”. A busca incluiu estudos sobre escalas utilizadas em pacientes com dor crônica internados em hospitais, estudos sobre escalas que otimizem o manejo da farmacoterapia para dor crônica. Foram eleitos 10 artigos que contemplaram os critérios de inclusão, sendo que cada um desses examinou escalas unidimensionais, multidimensionais ou comparação entre estas. Contudo, tanto os pesquisadores quanto a maioria dos pacientes têm preferência pelas escalas unidimensionais, devido ao seu modo de administração e por sua facilidade para a expressividade da dor. Por outro lado, essas escalas não permitem a medição multidimensional dessa experiência dolorosa. Em seis dos estudos foi analisada uma escala unidimensional ou escala multidimensional, unicamente. Em dois estudos indicam um profissional da saúde para o preenchimento da escala avaliada. Porém, instrumentos observacionais devem ser utilizados com cautela em pacientes em cuidados intensivos ou com danos cognitivos, pois tais pacientes podem ser capazes de relatar a própria dor. O tempo de preenchimento foi relatado em dois estudos levando entre seis a 30 minutos para preenchimento. Os artigos incluídos nesta revisão totalizaram uma população de 1990 pacientes, distribuídos em sete estudos na Europa, dois na América do Norte e um na Ásia. A faixa etária dos participantes ficou entre 17 e 86 anos. Dor de cabeça, dor musculoesquelética e câncer foram as principais doenças que originaram a dor experimentada corroborando com a literatura que destaca a cefaleia e o distúrbio musculoesquelético como as doenças mais prevalentes. A dor crônica resulta de processos mal adaptativos é extenuante e compromete a qualidade de vida dos pacientes acometidos. A associação de analgésicos é mais eficaz que a monoterapia medicamentosa. A seleção da escala adequada para a avaliação terá ainda os benefícios no manejo da dor nas instituições hospitalares.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1964297 - CRISTIANI ISABEL BANDERO WALKER
Interno - 2030649 - MAIRIM RUSSO SERAFINI
Externo ao Programa - 3361735 - VERA MARIA SILVEIRA DE AZEVEDO
Notícia cadastrada em: 09/02/2018 07:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10787-147c949b3