Notícias

Banca de DEFESA: ALEX SANTANA OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALEX SANTANA OLIVEIRA
DATA: 20/02/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do DFA
TÍTULO: Associação entre a Adesão à Farmacoterapia e Funções Cognitivas Durante a Gestação
PALAVRAS-CHAVES: Gravidez. Adesão à medicação. FunçãoCognitiva. Mulheres gestantes
PÁGINAS: 105
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Introdução: Apesar de a gestação ser considerada um fenômeno fisiológico normal, as mulheres gestantes são submetidas à farmacoterapia e fazem uso de pelo menos um medicamento. Entretanto, um comportamento não aderente à farmacoterapia pode estar relacionado a alterações das funções cognitivas e ser um dos responsáveis pelo desencadeamento do esquecimento e da não adesão. Objetivos: Avaliar a associação entre a adesão farmacoterapêutica e as funções cognitivas durante a gestação. Materiais e métodos: Foi realizado um estudo transversal com mulheres gestantes no Centro de Atenção Integral a Saúde da Mulher - CAISM, localizado no município de Aracaju, entre os meses de abril a julho de 2017. Foram entrevistadas 300 pacientes que tivessem no mínimo quatro anos de escolaridade e pelo menos um medicamento prescrito. Os dados sóciodemográficosforam coletados por meio de questionário estruturado. Para a determinação da adesão, foi utilizada a escala de adesão terapêutica de Morisky de oito itens (MMAS-8). Para determinação do CCL, foi utilizado o instrumento de rastreio cognitivo – Montreal CognitiveAssessment (MOCA). Foram utilizados os Testes de Kolmogorov-Smirnov, qui-quadrado, Kruskal-Wallis e “T”student. Resultados: A média de idade das mulheres gestantes foi de 27,55 anos, das quais 55,3% apresentavam CCL. Das 300 pacientes entrevistadas, 62,7% foram consideradas não aderentes ao tratamento medicamentoso. Foram reportados um total de 610 medicamentos prescritos com média de 2,03 medicamentos por mulher gestante. Os medicamentos mais utilizados foram os antianêmicos (61,3%). Fizeram uso de dois a três medicamentos 190 (63,3%) das pacientes entrevistadas. 60 (19,6%) das mulheres gestantes reportaram ter feito uso de medicamentos por conta própria durante a gestação. As pacientes com renda familiar menor ou igual a um salário mínimo aderiram melhor à farmacoterapia. O desempenho cognitivo foi pior nos três trimestres de gestação e as mulheres gestantes com maior escolaridade e renda eram as que tinham menores taxas de CCL. Conclusão: Não foi observada associação significativa entre o baixo grau de adesão farmacoterapêutica e os fatores de memória avaliados durante a gestação neste estudo, indicando uma necessidade de investigações adicionais sobre o impacto dos níveis hormonais nas funções cognitivas e a relação que estes podem desempenhar no processo de não adesão à farmacoterapia durante a gestação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 949.166.594-49 - ALFREDO DIAS DE OLIVEIRA FILHO
Interno - 1315121 - DIVALDO PEREIRA DE LYRA JUNIOR
Externo ao Programa - 1692930 - ELDER CERQUEIRA SANTOS
Notícia cadastrada em: 08/02/2018 15:59
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bemtevi1.bemtevi1 v3.5.16 -r10803-399c5c35c