Notícias

Banca de DEFESA: MICHELLE SANTOS MENEZES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MICHELLE SANTOS MENEZES
DATA: 11/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório DFA
TÍTULO: Incidência dos riscos clínicos com medicamentos de alta vigilância em pacientes internados: uma revisão sistemática
PALAVRAS-CHAVES: : Medicamentos de Alta Vigilância, Segurança do Paciente e Hospital
PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

INTRODUÇÃO. Os eventos adversos a medicamentos (EAM) têm sido foco de estudos em vários países, pois ocorrem com frequência e aumentam a morbimortalidade dos pacientes, constituindo-se em novo problema de saúde pública, impactando diretamente na segurança dos pacientes. Medicamentos de Alta Vigilância (MAV) são mais previsíveis de causar danos significativos para o paciente, mesmo quando utilizados da forma prevista. Outros autores afirmam, que os danos relacionados aos MAV’s levam não só o sofrimento ao paciente, mas também elevam os custos adicionais associados com o cuidado. OBJETIVO. Avaliar incidência dos eventos clínicos com medicamentos de alta vigilância em pacientes internados, uma revisão sistemática. METODOLOGIA. Foi realizado busca ativa de informações por meio das bases de dados COCHRANE, LILACS, SCIELO, SCOPUS, PUBMED, MEDLINE e WEB OF SCIENCE. Em seguida dois revisores de forma independente conduziram a avaliação inicial de títulos relevantes, posteriormente resumos e por fim texto completo. Os artigos indexados repetidamente em dois ou mais bancos de dados foram considerados apenas uma vez. Os artigos incluídos na pesquisa foram elegíveis através da metodologia PRISMA. RESULTADOS. A revisão sistemática avaliou sete artigos, os quais mostraram que apenas 11 MAV’s foram identificados na literatura com potenciais eventos graves. Os mais citados foram a varfarina (22,2%), ciclofosfamida (22,2%) e ciclosporina (22,2%). CONCLUSÕES. Apenas um estudo avaliou esses eventos clínicos em crianças. Não foram relatados nenhum tipo de erro no uso de MAV’s e notadamente riscos graves são pouco relatados provavelmente por conta dos riscos em pacientes relacionados as classes medicamentosas envolvidas. De acordo com os critérios de qualidade, a referida revisão chegou a apenas sete artigos que abordam o universo dos MAV’s, conseguindo evidência de grau elevado apenas para cinco destes, que envolveram somente alguns medicamentos. Para os demais, não existem ensaios clínicos que avaliem os eventos relacionados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1467719 - LUCINDO JOSE QUINTANS JUNIOR
Externo à Instituição - MÁRIO BORGES ROSA
Interno - 1694328 - WELLINGTON BARROS DA SILVA
Notícia cadastrada em: 11/01/2016 08:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - fragata3.fragata3 v3.5.16 -r10803-399c5c35c