Notícias

Banca de DEFESA: LÚCIA FERNANDA OLIVEIRA CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LÚCIA FERNANDA OLIVEIRA CARVALHO
DATA: 17/06/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do PRODEMA
TÍTULO:

 

PREPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE FILMES BUCOADESIVOS
QUITOSANA/POLOXAMER PARA LIBERAÇÃO DE FÁRMACO

Preparação e caracterização de filmes bucoadesivos quitosana/poloxamer para liberação de dexametasona


PALAVRAS-CHAVES:

Quitosana; poloxamer; dexametasona; filmes poliméricos.


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

 

Várias superfícies mucosas vêm sendo investigadas como vias para a administração de
fármacos, incluindo a mucosa bucal. A administração via mucosa bucal oferece várias vantagens
em comparação às outras vias apresentando melhores características para a absorção de fármacos,
sendo promissor para a administração através de sistemas de liberação bucoadesivos. Os sistemas
bucoadesivos proporcionam um maior tempo de retenção na superfície da mucosa e utilizam como
componente bioadesivo os polímeros formadores de hidrogel. Os filmes são sistemas bucoadesivos
mais recentemente utilizados para administração na mucosa bucal, a quitosana está dentre os
polímeros mais utilizados para a formação destes sistemas. A associação com outros polímeros,
como poloxamer, pode melhorar as propriedades dos filmes formando uma blenda. A dexametasona
torna-se uma boa candidata a ser incorporada a filmes poliméricos podendo ter seus efeitos colaterais
sistêmicos minimizados. Logo, o objetivo deste trabalho foi obter filmes de quitosana/poloxamer como
sistema de liberação, tendo a dexametasona como fármaco modelo. Foi realizada a validação da
dexametasona por espectrofotometria. Os filmes foram obtidos através do método de evaporação
do solvente (casting). Após sua obtenção, os filmes e seus componentes foram caracterizados por
espessura, grau de intumescimento, microscopia eletrônica de varredura (MEV), termogravimetria
(TG), calorimetria exploratória diferencial (DSC), espectroscopia no infravermelho com transformada de
Fourier (FTIR) e difração de raios X (DRX). O método de validação se mostrou linear, preciso, exato e
seletivo. A espessura dos filmes variaram conforme a concentração de poloxamer, o resultado do perfil
de intumescimento mostrou que a concentração de poloxamer interfere significativamente (p<0,05) na
porcentagem de água absorvida pelos filmes. O MEV demonstrou uma superfície irregular dos filmes com
poloxamer. Os demais resultados (FTIR/DSC/TG/DRX) permitiram a visualização de interações entre a
quitosana, o poloxamer e a dexametasona, sugerindo assim, que a formação do filme é favorável.

  Várias superfícies mucosas vêm sendo investigadas como vias para a administração de fármacos, incluindo a mucosa bucal. A administração via mucosa bucal oferece vantagens quando comparada às outras vias apresentando melhores características para a absorção de diversos fármacos de ação local e sistêmica, sendo esta via promissora para a administração através de sistemas de liberação bucoadesivos. Os sistemas bucoadesivos proporcionam um maior tempo de retenção na superfície da mucosa e utilizam como componente bioadesivo polímeros formadores de hidrogel. Os filmes são obtidos a partir destes polímeros, sendo bastante utilizados para administração na mucosa bucal. A quitosana está dentre os polímeros mais utilizados para a formação de filmes bucoadesivos. A associação da quitosana com outros polímeros, como poloxamer, pode melhorar as propriedades dos filmes com um aumento na resistência mecânica e um maior controle da liberação, por exemplo, formando assim uma blenda. Logo, o objetivo deste trabalho foi obter filmes de quitosana/poloxamer para a liberação de dexametasona. Foi realizada a validação do método de quantificação da dexametasona por espectrofotometria. Os filmes foram obtidos por meio do método de evaporação do solvente (casting). Após sua obtenção, os filmes e seus componentes foram caracterizados por termogravimetria (TG), calorimetria exploratória diferencial (DSC), espectroscopia no infravermelho com transformada de Fourier (FTIR) e difração de raios X (DRX). Além disso, foram avaliadas também a espessura, grau de intumescimento e a superfície dos filmes por microscopia eletrônica de varredura (MEV).  Realizando posteriormente o estudo de liberação in vitro do fármaco a partir dos filmes. O método analítico empregado se mostrou linear, preciso, exato, seletivo e com adequada robustez. A espessura dos filmes aumentaram com a incorporação do poloxamer (10 a 20µm) e o resultado do perfil de intumescimento mostrou que a concentração de poloxamer interfere significativamente (p<0,05) na porcentagem de água absorvida pelos filmes. O MEV demonstrou uma superfície irregular dos filmes com poloxamer. Os demais resultados (FTIR/DSC/TG/DRX) visualizaram apenas interações entre a quitosana, o poloxamer e a dexametasona, sugerindo, que a formação do filme é favorável. A incorporação do poloxamer nos filmes de quitosana também diminuiu a liberação do fármaco, sendo esta associação promissora como sistema de liberação.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Presidente - 2337777 - ROGERIA DE SOUZA NUNES
Externo ao Programa - 1658460 - VICTOR HUGO VITORINO SARMENTO
Notícia cadastrada em: 05/06/2013 17:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS - - | Copyright © 2009-2020 - UFRN - bigua2.bigua2 v3.5.16 -r10803-399c5c35c